Pular para o conteúdo principal

Énois abre inscrições para programa de Diversidade nas Redações

Serão selecionadas 10 redações que receberão treinamento com foco em diversidade e repórter subsidiado durante um ano
A Énois, laboratório de jornalismo representativo, lança nesta segunda-feira (03) o programa Diversidade nas Redações, em parceria com a Google News Initiative. O projeto vai selecionar 10 redações pelo Brasil (com exceção das capitais de SP e RJ) que já tenham ações práticas de diversidade voltadas às equipes, pautas desenvolvidas ou mecanismos de gestão. Durante um ano, editores das redações selecionadas receberão treinamentos junto com os repórteres que serão financiados pelo projeto. Serão encontros ligados a equilíbrio emocional dos jornalistas, técnicas de apuração para as eleições, diversidade estratégica na gestão jornalística e medição de impacto do trabalho realizado. As inscrições das redações acontecem exclusivamente pelo formulário online até dia 28 de agosto.

O programa vai ajudar a fortalecer a diversidade nas redações a partir da inclusão de repórteres com perfil diverso para ampliar a cobertura racializada, de desigualdades sociais, imigração, gênero, religião e outros vieses pouco abordados. Na inscrição, as redações deverão indicar quais lacunas de cobertura ligada à diversidade o repórter do programa Diversidade nas Redações irá cobrir. 

Podem se inscrever redações que produzam em meio online de todos os tamanhos e formatos. O início da formação - que terá encontros mensais virtuais - e a entrada do repórter na redação estão previstos para outubro. A atuação do profissional será voltada, no primeiro momento, para a cobertura das eleições municipais adiadas para novembro. 

“Diversidade é crucial para o jornalismo enxergar e retratar a sociedade e promover diálogo a partir das diferenças, mas o movimento das redações têm sido lento nessa direção. O programa de Diversidade nas Redações vem como um apoio para apressar esse passo. Nos últimos anos, estudamos e experimentamos a construção de ações de diversidade em parceria com veículos como a Folha de S. Paulo, no Índice de Diversidade, e vimos que diversificar a equipe é um caminho importante, mas que tem de vir junto com uma mudança de cultura que inclua a escuta, o aprendizado e a troca sobre a diversidade nos processos de produção e gestão”, diz Simone Cunha, coordenadora do eixo de Estrutura Jornalística e Diretora Institucional da Énois. 

Durante um ano, editores das redações selecionadas serão os mentores de diversidade nas redações acompanhando os repórteres subsidiados pelo programa. Os dois grupos passarão por formações em diferentes questões, algumas em conjunto e outras separadamente como equilíbrio emocional dos jornalistas, técnicas de apuração e jornalismo de dados local, escuta da comunidade para selecionar pautas que dialoguem com as demandas sociais locais e como medir o impacto das produções. “Por meio de métricas, pesquisa e coleta de dados vamos entender de forma mais concreta as mudanças que a diversidade traz para o dia a dia das redações. Com isso, vamos avaliar os efeitos de incorporar a diversidade nas redações e traçar juntos novos caminhos e estratégias para isso”, diz a coordenadora do programa, Jamile Santana.
 

Quem somos

A Énois é um laboratório que trabalha para impulsionar diversidade e representatividade no jornalismo. Foi fundada em 2009 pelas jornalistas Amanda Rahra e Nina Weingrill a partir de um trabalho voluntário no Capão Redondo, bairro da zona sul de São Paulo, na periferia paulistana. Em 2014, elas criaram a primeira escola online de jornalismo no Brasil voltada ao público jovem. Em cursos presenciais, mais de 500 jovens da periferia se formaram em jornalismo e mais de 4 mil estudantes passaram pela Escola de Jornalismo online. Ao longo do tempo, esses jovens, por meio da Énois, produziram conteúdo em parceria com veículos de abrangência nacional. Foram mais de 80 reportagens produzidas pela agência, publicadas em veículos parceiros, como UOL Tab, The Intercept, The Guardian, Nexo, BBC e outros.

Em 2020, a Escola de Jornalismo se integrou à Agência para dar início à um novo processo, a Residência da Énois, um percurso formativo e de trabalho que potencializa a construção de saberes jornalísticos a partir da experimentação prática. Para isso, a equipe se reestruturou e passou a contar com oito ex-alunas e ex-alunos da Escola de Jornalismo para compor os eixos de trabalho da instituição: Jornalismo local, Produção e Distribuição, Estrutura Jornalística e Gestão Institucional. 

A trajetória completa você confere na linha do tempo que conta a história da Énois.
SERVIÇO

Diversidade nas Redações
Inscrição: bit.ly/diversidadenasredacoes
Quando: 3 a 28 de agosto

Quem pode: Redações de todo o país com exceção das capitais de SP e RJ

Para dúvidas, consulte nossas Perguntas & Respostas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes é o escritor convidado do Nosso Sarau deste mês, dia 15

O escritor Cacau Novaes é o convidado da edição deste mês do Nosso Sarau, que acontece no KreatvLab do Goethe Institut Salvador, dia 15/04, às 18 horas, com entrada gratuita. Produtor e curador do evento, há 6 anos, o autor participa, de um bate papo mediado por Décio Torres, pela primeira vez como escritor convidado, em que falará sobre a sua trajetória literária e seu novo livro de poesia: “Eu só queria ver o pôr do sol”. A apresentação ficará por conta de Rosana Paulo, que comandará o recital de poemas com Alvorecer Santos, Douglas de Almeida, Jeane Sánchez, Luiz Eudes, Marcos Peixe, Rita Pinheiro, Rita Santana e Vitória Régia, além das apresentações musicais de Chá Rize, Di Carvalho e Sílvio Correia. O Nosso Sarau acontece desde 2018, com apoio do Goethe Institut Salvador. A produção do evento nesta edição ficará com Marcos Peixe e a curadoria com Alvorecer Santos. Toda a programação também será transmitida pelo perfil do Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor Cacau Novaes

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Aos 14 anos, baiana Cacá Magalhães canta em programa nos EUA e chama atenção de DeGeneres

Jovem, dona de uma voz potente e orgulhosa da sua baianidade. Poderíamos estar falando de Ivete Sangalo nos idos dos anos 1990 ou de outras mulheres a exemplo da Margareth Menezes e Daniela Mercury nos anos 1980, mas não. A baiana em questão é Cacá Magalhães, de 14 anos e moradora da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.  Foto: Reprodução / Twitter Revelada para o mundo após participar do programa "Little Big Shots", da rede estadunidense de televisão NBC, no último domingo (24), cantando niguém menos que Nina Simone, ela conta que seu canto foi aflorado muito tempo antes, quando incentivada pelo seu avô começou a escutar canções de ritmos negros norte-americanos. "Quando eu era pequena meu avô sempre colocava Blues no carro e eu fui inspirada por isso. Eu escutava música e batucava em casa, minha irmã percebeu que eu tinha esse talento e meus pais logo me inscreveram em um conservatório de música", conta a adolescente. A trajetória no con

Os morcegos estão comendo os mamãos maduros, de Gramiro de Matos

Sim, morcegos de fato comem mamãos, ou mamões maduros, mas, não é sobre morcegos nem sobre mamões o segundo e que eu saiba, derradeiro romance de Gramiro de Matos, ou Ramiro de Matos, ou Ramirão Ão Ão, cujo subtítulo, é,”O besta y a doida”, é sobre... Bem, é sobre lombrigas e angústia, sobre o que fazer da vida, seja você um viadinho suburbano, uma filha de deputado, um bêbado amante da filha do deputado, um maconheiro, um pintor ensandecido, um atropelado, ou duas belas jovens pegando carona na Rio-Bahia. O livro é sobre o belo e o horroroso da vida, que você pode passar com dor ou com muita dor. A escolha é sua, ou talvez não, mas, porém, contudo e entretanto, “O besta y a doida”, que mistura português com espanhol, James Joyce ( seu Jaime, para os chegados) com Gregório de Matos, os tupis e os atlantes, não é um livro triste, pelo contrário, é um livro até esperançoso, Macunaíma dos anos 70,embora o autor prefira Oswald a Mário de Andrade, mas o que sabe um autor do livro que

Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos” Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania.  Foto: Divulgação Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.   É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tan