Antonio Aruanda fala sobre "Xará", novo álbum de Paquito

Estou a curtir o maravilhoso álbum “Xará – Short Songs” (2019) do meu querido Paquito, baiano do mundo todo.

Álbum Xará - Foto: Divulgação

Meu falar e meu escrever são ostensivamente emocionais, porque me mostro no que sinto, no que vivencio artística, existencial e culturalmente, e como isso reverbera em minha alma-poesia. 

O álbum é todo bom de se ouvir(sentir) porque me conduz a possibilidades e dimensões infindas. Queria dissertar sobre todas as 20 músicas, mas vou me ater às que mexeram mais comigo. 

O que curto na poética de Paquito, que atende pelo nome civil de Antônio José Moura Ferreira, é que ele consegue ser doce até nos versos mais ácidos. O trecho deliciosamente iconoclasta e suplicante da composição “Xará”, na qual ele homenageia Antônio, nosso santo, é divino:

“Desça desse velho altar/E desfaça seu mal-feito/ Eu ando por aí a rodar/Só porque fui seguir seu preceito/Me socorra meu santo e xará/Eu carrego seu nome em meu peito”

Amo o romantismo gostoso de “Igual a Você”. A paixão é tanta que o eu-poético amante brinca de Deus e diz que vai clonar o ser amado se ele o deixar:

“Se você me deixar/vou criar outro ser/cheio de amor pra dar/igualzinho a você.” 

E o que dizer da apetitosa “Eu quero ser fruta”? Tão mágica na temática da infinitude do ciclo da vida:

“Quando eu morrer quero ficar aqui na terra/ que em se plantando tudo dá e se desfruta/ enterradinho nu em pêlo e o que interessa/ se é pra morrer e renascer, quero ser fruta/ eu quero ser fruta/poderosa necessária absoluta”.

“Barulhento”, meu xará canta com Caetano. Eu a considero uma Ode ao Silêncio:

“Chuva e sol de shopping center/onde a gente vai e vem/decibéis indiferentes/ao coração de ninguém/silêncio (...) vai ninar meu bem.”

Já “Porto de Chegar”, na qual faz uma linda parceria com Geronimo Santana, e cantam o Porto da Barra, me remete aos orgásticos veraneios que passei na Praia de Tairú, Ilha de Itaparica. Letra e música aquáticas e litorâneas:

“Um amor me trouxe aqui/ e a paixão me fez cantar/ nesse fim de tarde ainda/ vou nadar com Janaína/a dona rainha do mar.”

“O monstro” é soco no estômago. Soube que fez com Chico César em 2016 e refere-se nada mais, nada menos a #elenão:

“Bandido bom é bandido morto/ Jesus moído até o osso/ o monstro habita o esgoto/qualquer de nós, uns e outros/ exceto a virgem Maria.”

Criatura, se quiser viver e sentir essa beleza traduzida em música e poesia, de nada vale ficar com as impressões da minha verborreia à flor da pele. Vá lá no Spotify, permita-se surfar nessa onda sonora e viva sua experiência única e intransferível.

Bravo, Xará. Amo-te. Evoé! 

Clique aqui e ouça o álbum Xará, de Paquito, no Spotify


Por Antonio Aruanda

Escritor, Autor e Terapeuta


Paquito – Xará (2019) Estou a curtir o maravilhoso álbum “Xará – Short Songs” (2019) do meu querido Paquito, baiano do...

Publicado por Antonio Aruanda em Sábado, 8 de agosto de 2020

Comentários

Posts mais visitados

Ticomia recomeça dia 25 como a maior explosão de alegria do São João da Bahia

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

New face da 40 Graus Models, Ana Clara Rios passa férias na Bahia

Conheça “Raíz do Sertão”, novo álbum do rapper baiano TR MC

‘A rosa de Hiroxima’, de Vinicius de Moraes, em extraordinária interpretação de Ney Matogrosso