Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos”

Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania. 


Foto: Divulgação

Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.  

É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tanta certeza “É lindo de se ver, é lindo venha apreciar, É lindo de ser ver a Banda Reggae do Olodum tocar.” 

São esses homens e mulheres, jovens e adultos que ao longo desses 41 anos tem sustentado a força e a imagem do Olodum. São mais do que trabalhadores/as da cultura, são seres humanos que também possuem família, pagam suas contas e precisam preservar sua saúde. São na verdade os artistas da cultura popular que compartilham com generosidade seu talento e criatividade. 

Parabenizo também, João Jorge e Marcelo Gentil pela condução diligente e atenta dos rumos do Olodum. A Daouda Dione e Zeni Ramos, como símbolos do seu Conselho Consultivo, A Rita Castro e Eunice Rodrigues pelo trabalho e compromisso com o dia a dia do Olodum. A Rafael Manga e Linda Rodrigues pela representação do nosso futuro. 

Nossos Mestres Memeu, Gilmário Marques e Andréa Silva, meu muito obrigado pela dedicação de vocês. Aos nossos cantores Lazinho, Mateus Vidal, Lucas Di Fiori e Narcisinho,  valeu por serem nossos porta vozes. 

E ao grande Mestre Neguinho do Samba, o agradecimento eterno por ter nos presenteado com o Samba Reggae. 

Por fim, quero dar um parabéns todo especial aqueles que fazem o Olodum acontecer: o seu grande público. Público da Bahia e do Brasil. Da Europa e das Américas. Da Ásia e da África. 

Toca a zabumba que a terra é nossa! Viva o Olodum!



Por Zulu Araújo

Comentários

Posts mais visitados

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

O perigo das Fake News para a sociedade e o impacto às pessoas e instituições

Os morcegos estão comendo os mamãos maduros, de Gramiro de Matos

Sérgio Mattos: Bernardo Rabello, nova aposta da moda nacional

Manifesto dos Escritores, Artistas, Cientistas, Jornalistas, Professores e Pensadores Baianos pela Democracia