Pular para o conteúdo principal

II Conversatório sobre Bibliodiversidade: O autor e o ecossistema do livro em tempo de pandemia

O autor e o ecossistema do livro – Políticas e práticas culturais para bibliotecas, leituras e literaturas, em tempo de pandemia, é tema do II Conversatório sobre Bibliodiversidade. O encontro multidisciplinar dedicado a refletir e compartilhar experiências desde os distintos lugares de fala que enlaçam o livro e a leitura, acontecerá durante os dias 23, 24 e 25 de julho, será transmitido via streaming, na página da Portuário Atelier Editorial, no Facebook.


O mundo entre duas capas, os serviços bibliotecários, artistas da palavra escrita e oral, as redes editoriais colaborativas, criativas e produtivas pelas vozes de poetas, escritores, bibliotecários, produtores culturais, editores, docentes, pesquisadores e gestores públicos, convidades pela editora Portuário com o proposito de partilhar leituras e conversas que contextualizam experiências e reflexões em tempos de pandemia.

O Conversatório sobre Bibliodiversidade é um espaço multidisciplinar dedicado a promover encontros e oportunizar partilhas de leituras, estudos e experiências desde os distintos lugares de fala e disciplinas que fracionam as percepções do livro, da leitura, literatura e biblioteca.

Foto: Divulgação

Na primeira edição, o Conversatório foi realizado presencialmente, na Igreja de Nossa Senhora d'Ajuda, em Cachoeira, durante o XIII Caruru dos Sete Poetas. Conversamos e compartilhamos experiên- cias sobre “Processos criativos, escolhas editorias, difusão e intercâmbios literários” com Celso Borges (Maranhão), Dênisson Palumbo (Bahia), Valdeck Almeida de Jesus (Bahia), Rómulo Bustos Aguirre (Colômbia), José Inácio Vieira de Melo (Alagoas/Bahia), Roberto Leal (Bahia), Pedro Pereira Lopes (Moçambique), Lílian Almeida (Bahia), Andrea Mascarenhas (Bahia), Laura Castro (Bahia), Tatá Café (Bahia) Andressa Prazeres (São Paulo)..

Em sua segunda edição, emerge a necessidade de pautar o autor e o ecossistema do livro em contextos de pandemia. Os encontros acontecerão via streaming, na página da Portuario Atelier Editoral, no Facebook, em @atelier.ediotiral.portuario

O investigador e gestor cultural João Vanderlei de Moraes Filho mediará o II Conversatório sobre Bibliodiversidade que terá a seguinte programação:

Dia 23, quinta, às 15h


Fabricio Brito. 

Poeta e filósofo, mestrando em Cultura e Sociedade pela UFBa.

Jacquinha Nogueira

Pseudônimo de Jacqueline Nogueira Cerqueira. Professora, poeta e filha do Recôncavo Baiano, organiza o Sarau Sapeaçu desde 2014. Mestranda em Educação pela UFBA, onde pesquisa a inserção de saraus literários na escola, numa perspectiva descolonial.

Tiago Oliveira, Gato Preto

É santamaropolitano, alguém que carrega o.verso no DNA. Neto do poeta santoamarense Nestor Oliveira, Tiago é fundador do Projeto Poesia em trânsito e autor de diversos livros infantis. Declamador das praças, escolas e espaços culturais. Pertence a Academia de Letras Brasil/Suíça, é Organizador do MIAU – Movimento Internacional de Artes Urbanas.

Dia 24, sexta, 17h


Patrícia Braile

Graduada em Letras Vernáculas (Ucsal), especialista em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva (Uneb). Atuou como consultora da UNESCO entre 2009 e 2013. Tem vasta experiência em formação de professores e editoração de livros digitais, em Braille, e outros formatos acessíveis.

Valdeck Almeida de Jesus

Escritor e jornalista, ativista cultural. Presidiu o Colegiado Setorial de Literatura do Estado da Bahia (2012/2013). Faz parte do Conselho Diretivo do Plano Municipal do Livro, da Leitura e da Biblioteca do Município de Salvador; do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Salvador-BA (2020/2021).

Leo Lobos

Poeta, ensaísta, tradutor, artista visual. Gestor do Espaço Cultural “Taller Siglo XX Yolanda Hurtado” da Fundação Hoppmann – Hurtado, em Santiago do Chile. Em 2003 recebeu a bolsa artística do Fundo Nacional da Cultura e das Artes do Ministério de Educação do Chile, e em 2008 a bolsa de criação para escritores profissionais do Conselho Nacional da Cultura e das Artes do Chile. Traduziu para o espanhol os escritores: Roberto Piva, Hilda Hilst, Paulo Leminski e José Castelo. Dentre seus livros, estão, Turbosílabas. Poesía Reunida 1986-2003 (2003), Un sin nombre (2005), Nieve (2006), Vía Regia (2007), Nieve (2013), Coração (2018)

Luciana Moreno

Graduada em Letras, mestra em Educação e doutora em Literatura. Professora do Departamento de Educação – Campus XIII/ Itaberaba e no Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem – PPGEL – Universidade do Estado da Bahia. Coordena o Grupo de Estudos Literatura e Periferia (s) – GELP(s).

Dia 25 de julho, sábado, 15h, Dia do Escritor


André Rosa

É ilheense, professor universitário, autor de livros acadêmicos e de literatura. Organizador do Prêmio Sosigenes Costa de Poesia e presidente da Academia de Letras de Ilhéus.

Bárbara Falcón

Cientista social pela Universidade Federal da Bahia, mestre em Estudos Étnicos e Africanos na Universidade Federal da Bahia - CEAO. É Diretora do Livro e Leitura da Fundação Pedro Calmon/Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Marcos Viana

Bibliotecário, mestrando em Ciências da Informação pela UFBa. Ex-presidente do Conselho Regional de Biblioteconomia da 5ª Região (Ba/Se). Atua como Gerente de Bibliotecas na Fundação Pedro Calmon/Secult-Bahia. Responsável pela Assistência Técnica às Bibliotecas Públicas Municipais baianas, implantando, modernizando, informatizando e dinamizando estes espaços de conhecimento e leitura,.

Renata Rimet

Escritora, poeta e mediadora de leitura, com atuação direcionada a projetos de incentivo à leitura, escrita e difusão da palavra. Bacharel em Administração de Empresas, Licenciada em Letras e Especialista em Gestão de Pessoas e membro fundadora do Coletivo MUPPS Mulheres, Políticas Públicas e Sociedade. Representa a Setorial do Livro e da Leitura no Colegiado Setorial do Estado da Bahia.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carlinhos Brown lança "A bota", música em parceria com Guilherme Menezes

A canção “A bota”, lançada por Carlinhos Brown ontem à noite, se encaixa tão perfeitamente no infortúnio do afro-americado morto dias atrás por um policial branco. Pode ser interpretada como uma reação criativa inspirada no caso que incendiou os Estados Unidos e provocou reações no mundo inteiro. Mas só os últimos versos foram acrescentados por Brown, depois da morte de George Floyd, à composição do seu novo parceiro. Guilherme Menezes e Carlinhos Brown - Foto: Montagem/Reprodução Além de inserir referências ao episódio de Minneapolis, como algumas das últimas palavras de Floyd, Brown compôs um arranjo que confere força suficiente para a música esquentar ainda mais o debate sobre racismo pelo caminho da arte. O clipe de lançamento mescla cenas do cantor no estúdio, imagens de escravos em senzalas brasileiras e cenas dos protestos recentes nas cidades norte-americanas, num ritmo sincopado que lembra rodas de capoeira. De quebra, Carlinhos Brown devolve à música baiana, um compositor que

Tudo pronto para o Ticomia 2024: A melhor festa de São João do Brasil!

  A melhor festa de São João do Brasil. 37 anos de tradição, essência e muito forró! A festa começou sua história em 1987 com um grupo de universitários baianos que objetivavam valorizar e preservar o forró, ritmo e dança típicos da região Nordeste e as tradições juninas. 36 anos depois, o Ticomia continua sendo realizado no mesmo local, com a mesma proposta e essência, mas adaptada a conceitos da modernidade. É um dos únicos eventos do país que mantém uma grade de atrações 100% FORRÓ. No ano de 2022 o Ticomia recebeu o prêmio de melhor festa privada do São João da Bahia, e mais uma vez promete trazer um evento inesquecível. Área única dotada de uma mega estrutura e serviço ALL INCLUSIVE, onde você pode desfrutar dos mais variados tipos de bebidas e comidas: cerveja, água, refrigerante, frozen, cachaças, água de côco, caldo de cana, ligante, acarajé, abará, queijo coalho c/ melaço, pamonha, amendoim, milho cozido, tapioca, crepes, tradições gaúchas (porco e costela bovina no rolete), c

Alvorecer Santos é o convidado da edição de junho do Nosso Sarau

O Nosso Sarau promove mais uma edição nesta quarta-feira (19), às 18h, no KreativLab do Goethe-Institut Salvador, tendo como convidado Alvorecer Santos, que participa de um bate papo sobre a sua trajetória na literatura.  A programação inclui também um recital de poesia com Ametista Nunes, Cacau Novaes, Décio Torres, Dilu Machado, Emerson Bulcão, João Fernando Gouveia, Joel Gomes, Marcos Peixe e Rosana Paulo, além de apresentações musicais com Di Carvalho e Ritta Cidhreira. No local, acontece ainda um bazar com livros e CDs dos escritores(as) e cantores(as) presentes. O Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com o apoio do Goethe-Institut Salvador. A entrada é gratuita e o evento é transmitido também pelo perfil no Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor  Alvorecer Santos, nome artístico de Armando Rocha dos Santos, é natural de São Félix, na Bahia, mas se considera mangabeirense, pois viveu até os 18 anos na cidade de Governador Mangabeira, Bahia. Mestre em Estudo de Li

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Aos 14 anos, baiana Cacá Magalhães canta em programa nos EUA e chama atenção de DeGeneres

Jovem, dona de uma voz potente e orgulhosa da sua baianidade. Poderíamos estar falando de Ivete Sangalo nos idos dos anos 1990 ou de outras mulheres a exemplo da Margareth Menezes e Daniela Mercury nos anos 1980, mas não. A baiana em questão é Cacá Magalhães, de 14 anos e moradora da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.  Foto: Reprodução / Twitter Revelada para o mundo após participar do programa "Little Big Shots", da rede estadunidense de televisão NBC, no último domingo (24), cantando niguém menos que Nina Simone, ela conta que seu canto foi aflorado muito tempo antes, quando incentivada pelo seu avô começou a escutar canções de ritmos negros norte-americanos. "Quando eu era pequena meu avô sempre colocava Blues no carro e eu fui inspirada por isso. Eu escutava música e batucava em casa, minha irmã percebeu que eu tinha esse talento e meus pais logo me inscreveram em um conservatório de música", conta a adolescente. A trajetória no con