Pular para o conteúdo principal

Indicada por Pitty, conquistense Luiza Audaz lança "Bahia-Flor" pela Deck

Luiza Audaz lança single e clipe de "Bahia-Flor"
Artista de Vitória da Conquista (BA), Luiza Audaz estreia como cantora solo, na gravadora Deck, após uma indicação de ninguém menos que Pitty, que a assistiu enquanto viajava pelo Brasil com a turnê MATRIZ. O single "Bahia-Flor" chega hoje aos aplicativos de música.
Foto: Marcos P. Soco

Em ritmo vibrante, que alinha percussões a batidas eletrônicas, Luiza homenageia suas raízes e a miscigenação afro-indígena. "Bahia-Flor" (Luiza Audaz) ovaciona em poesia a busca por libertação que atravessa gerações e se manifesta através da arte que resiste no caminhar do tempo. "Comecei a narrar como se estivesse vendo, pelo olhar de um menino, toda dor do deslocamento da África até aqui. 'Bahia-Flor', na verdade, é uma expressão alegórica de uma dor que também me atravessa pois sou fruto da miscigenação dos povos e me vejo como pedaço de África", explicou a baiana sobre suas inspirações. A faixa, marcada por influências que vão de ritmos africanos a artistas como Thievery Corporation, foi produzida pelo duo Deep Leaks, que já havia trabalhado anteriormente com a cantora e compositora no single "Berimba Areia".

O clipe da música, dirigido por Luciano Matos, é carregado de simbologia e, através de uma sofisticada produção e cortes precisos, faz referência ao legado e à força ancestral baiana. Filmado na parte histórica de Salvador, seus detalhes — dos figurinos aos enquadramentos — remetem a causas sociais e detalhes históricos, sociais e religiosos, numa rica semiótica que inclui, também, a presença dos quadros do pai de Luiza, o artista J. Marcos Oliveira. 

Envolvida também com cinema e artes plásticas, Luiza Audaz vem para reforçar a memória e a diversidade brasileira, indo contra qualquer resistência à igualdade. A máscara que a cantora usa no clipe faz, inclusive, referência à Máscara de Flandres usada pela Escrava Anástacia. "Porém sem a parte que fechava a boca, já que me sinto como uma interlocutora dessas mulheres ancestrais", assegurando que seu recado está aí para ser ouvido com clareza.

Assista ao clipe Bahia-Flor:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Cacau Novaes lança, neste sábado (6), seu novo livro: “Eu só queria ver o pôr do sol”

O poeta e escritor Cacau Novaes lança, neste sábado (6), às 16h, o seu novo livro de poemas, intitulado “Eu só queria ver o pôr do sol”, pela Editora Mondrongo. O evento acontece em Salvador, na Cervejaria ArtMalte, na Rua Feira de Santana, 354, Rio Vermelho. Neste seu novo livro, Cacau Novaes se debruça sobre a terra arrasada pelas guerras, as mazelas da humanidade, os problemas sociais das grandes cidades, como os esgotos a céu aberto, entro outros. Poesia que nasce no seio de onde vem o cheiro de miséria e a desigualdade. Outros cinco autores também lançam, além de Cacau Novaes, os seus livros, no mesmo dia e local, em uma grande celebração literária: André Lemos, Antônio Brasileiro, Clara Pamponet, Douglas de Almeida e Vinícius Cardona. Segundo Gustavo Felicíssimo, editor da Mondrongo, será um “esquenta” para a Bienal do Livro da Bahia, que acontece de 26 de abril a 1º de maio no Centro de Convenções da Bahia. Durante a bienal, no Espaço das Editoras baianas, haverá um segundo mo

Nosso Sarau inicia encontros de 2024 com Douglas de Almeida e convidados

O Nosso Sarau volta às atividades, iniciando os encontros deste ano com muita poesia, música, bate papo literário, entre outras atividades artísticas. A primeira edição de 2024, no dia 20 de março, às 18h, traz como convidado o poeta Douglas de Almeida. O escritor falará sobre a nova edição de seu livro “Não sei se sou”, que foi relançado recentemente no MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, e sua trajetória literária, sob mediação de Cacau Novaes. Haverá ainda uma sessão de autógrafos. Durante o evento, acontece um recital de poesia com a participação de Alvorecer Santos, Ametista Nunes, Cacau Novaes, Jeane Sánchez, Jovina Souza, Luís Aseokaynha, Marcos Peixe, Ramon Argolo e Rosana Paulo. As apresentações musicais serão com Di Carvalho e Evandro Correia, abrilhantando a noite com canções autorais. Realizado mensalmente no Goethe-Institut Salvador, o Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com colaboração de Alvorecer Santos e Marcos Peixe. A entrada é gratuita. Sob

Maravilhas do conto português para o leitor brasileiro

Depois de  A cidade de Ulisses , Teolinda Gersão, uma das mais importantes contistas e romancistas da literatura portuguesa contemporânea, lança agora no Brasil  Alice e outras mulheres , uma antologia de contos organizada por Nilma Lacerda. Se, em  A cidade de Ulisses , está Lisboa no poema épico de Homero, em "Alice in Thunderland", conto que fecha a nova antologia, a escritora portuguesa revisita a personagem de Lewis Carrol, registrando a sua versão da história: “Vou repor a verdade e contar eu mesma a história, tal como agora a contei, em pensamento”. O livro conta com textos já publicados por Teolinda ao longo de seus 40 anos de trajetória literária, no entanto, esta organização publicada pela editora Oficina Raquel é inédita para o público brasileiro. Por trás da escolha dos contos que compõem a seleta, está o objetivo de mostrar todo o poder do feminino, ainda que muitas vezes silenciado e, neste sentido, nada melhor do que uma das mais célebres personagens da nossa l

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es