Pular para o conteúdo principal

Educativo Flip abre crowdfunding para ações continuadas em Paraty

O programa conta com uma biblioteca, mediação de leitura, doação de livros, atividades recorrentes da Flipinha e FlipZona e apoio pedagógico durante o ano todo. Em 2019, a Biblioteca Comunitária Casa Azul ganhou o Prêmio IPL - Retratos da Leitura, na categoria Bibliotecas

Para além da Flip – Festa Literária Internacional de Paraty, que acontece uma vez por ano e reúne escritores e leitores durante cinco dias ocupando a cidade, o Programa Educativo, dirigido por Belita Cermelli, tem por objetivo promover a inclusão comunitária e o diálogo intercultural por meio das artes e da literatura durante todo o ano em atividades que ocorrem na Biblioteca Comunitária Casa Azul, desde 2005, em ambiente digital –  mediações de leituras durante a pandemia -, doações de livros e ações em parceria com a Secretaria de Educação.


Foto: Coletivo Jovem Repórter

De março a agosto, com as crianças e jovens em casa cumprindo o isolamento social, o Educativo Flip distribuiu 11 mil livros às comunidades, além de cestas básicas e kit de higiene para 239 famílias. “Livro na mão é solução. Como não podem ir à escola, levamos as histórias até eles, com os livros em si e transmissões de leituras pelo facebook”, conta Belita. Ao todo, desde 2003, já foram doados mais de 40 mil livros e promovidas mais de 1.700  atividades. Durante a Flip, cerca de 50 eventos acontecem exclusivamente para este público (Biblioteca, Flipinha e FlipZona). “É urgente formarmos leitores de fato. Desde o início, o Programa Educativo já entregou dez vezes mais do que era previsto nas contrapartidas sociais exigidas pelos patrocinadores, o que nos mostra também a necessidade de atendermos os moradores de Paraty o ano todo, de forma independente das questões Flip”, completa.


Foto: Sara de Santis


Para dar continuidade ao projeto e garantir uma programação constante até março de 2021, o Educativo iniciou um crowdfunding (benfeitoria.com/educativoflip) que durará um mês (até 15/10) e tem três metas: 1ª) R$75 mil - Manutenção da Biblioteca Comunitária Casa Azul e equipe do Programa Educativo Flip no segundo semestre de 2020. 2ª) R$120 mil – Meta 1 + Criação da plataforma do Programa Educativo Flip e realização da edição 2020 da Flipinha e da FlipZona. 3ª) R$170 mil – Metas 1 e 2 + Manutenção da Biblioteca Comunitária Casa Azul e equipe do Programa Educativo Flip no primeiro trimestre de 2021.


Foto: Sara de Santis

Biblioteca Comunitária Casa Azul


Em 2013, a sede da Biblioteca mudou para a Ilha das Cobras, bairro urbano periférico da cidade de Paraty (RJ) de grande vulnerabilidade social. Diariamente, são realizadas atividades de mediação de leitura e apoio pedagógico dirigidas a estudantes da rede pública de ensino. A Biblioteca conta atualmente com um acervo de cerca de 18 mil exemplares, recebe visitas de escolas, realiza empréstimos de livros (com suporte especial para professores da rede de ensino) e desenvolve oficinas de arte-educação para crianças.


A cada ano, nos meses que antecedem a Festa Literária, oferece formação em mediação de leitura para educadores e futuros educadores de Paraty. Ao longo dos últimos anos foram formados mais de 400 mediadores que hoje atuam em salas de aula, bibliotecas comunitárias e em outros espaços. Durante a Flip, estes profissionais conduzem atividades de mediação de leitura nos espaços de programação da Festa.


Foto: Sara de Santis

Flipinha


Durante os dias da Flip, a Biblioteca disponibiliza parte do seu acervo para atender o público na Central Flipinha montada na Praça da Matriz, no Centro Histórico de Paraty. Neste ano, com a edição totalmente online, oito educadores escolhidos entre os moradores locais para comporem a comissão curatorial já preparam a programação apoiada em diversidade e buscando envolver a comunidade escolar nos encontros com autores. “Um dos nossos papéis é desmitificar o autor e o livro. Uma comissão está definindo os convidados, as crianças irão gravar perguntas e a conversa online será menos em formato de palestra e mais em tom de aproximação com os leitores”, conta Belita. Além disso, terá Formação em Mediação de Leitura e o Publique-se, que é uma oficina de técnicas de encadernação e experimentações gráficas, tendo como suporte temas ligados aos personagens e à cultura da região de Paraty.


Mediador Beto Silva - Foto: Coletivo Jovem Repórter

FlipZona


Em parceria com o Instituto Asas Comunicação Educativa, dirigida a um público de adolescentes e jovens, entre 13 e 20 anos, a FlipZona acontece desde 2009. A iniciativa formativa nasceu para, a partir da produção multimídia, aproximar os jovens do universo literário, promovendo ações educativas e culturais que resultam na convergência entre literatura, patrimônio cultural local, educação midiática e novas tecnologias. O projeto usa a metodologia da Educomunicação e as diretivas de Alfabetização Midiática e Informação (AMI) propostas pela Unesco, que entendem a educação midiática como pré-requisito para o exercício da cidadania e dos direitos humanos e para o fortalecimento democrático. Originalmente desenvolvidas de forma presencial, as oficinas da Central FlipZona estimulam e valorizam a autonomia crítica dos jovens, bem como sua potência criativa e transformadora. No primeiro semestre de 2019, em parceria com a BBC Brasil, a FlipZona ofereceu o Laboratório Criativo de Audiovisual, uma série de oficinas de experimentação artística e documental para jovens, que tinha como objetivo trabalhar questões relacionadas às Fake News. A atividade teve como temas geradores a vida e obra de Euclides da Cunha, integrando as temáticas discutidas pela Flip ao território e aos habitantes de Paraty. Os jovens participantes das oficinas também foram preparados para realizar a cobertura jornalística da Festa Literária, com suporte de diferentes mídias. Em 2020, em formato adaptado para o online, a programação conta com formação em alfabetização midiática e informacional e os Encontros TMJ, em que jovens paratienses protagonizam uma série de lives coletivas. “Será um momento de escuta. Jovens e adolescentes serão estimulados a falar sobre seus momentos em casa, sem escola, suas inquietudes e preocupações.”, conta Belita.

Números da Biblioteca até agosto de 2020

Visitantes: 58.868

Acervo catalogado: 17.280

Leitores cadastrados: 2.000

Empréstimo de livros: 22.875

Mediadores de leitura formados: 438

Doações de livros: 30.659

Instituições atendidas com doações de livros: 80

Módulos Biblioteca: 34

Oficinas realizadas pela equipe fixa da Biblioteca

público participante: 227

Oficinas realizadas por convidados

público participante: 369

Programações durante a Flip

público participante: 1.721 pessoas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carlinhos Brown lança "A bota", música em parceria com Guilherme Menezes

A canção “A bota”, lançada por Carlinhos Brown ontem à noite, se encaixa tão perfeitamente no infortúnio do afro-americado morto dias atrás por um policial branco. Pode ser interpretada como uma reação criativa inspirada no caso que incendiou os Estados Unidos e provocou reações no mundo inteiro. Mas só os últimos versos foram acrescentados por Brown, depois da morte de George Floyd, à composição do seu novo parceiro. Guilherme Menezes e Carlinhos Brown - Foto: Montagem/Reprodução Além de inserir referências ao episódio de Minneapolis, como algumas das últimas palavras de Floyd, Brown compôs um arranjo que confere força suficiente para a música esquentar ainda mais o debate sobre racismo pelo caminho da arte. O clipe de lançamento mescla cenas do cantor no estúdio, imagens de escravos em senzalas brasileiras e cenas dos protestos recentes nas cidades norte-americanas, num ritmo sincopado que lembra rodas de capoeira. De quebra, Carlinhos Brown devolve à música baiana, um compositor que

Tudo pronto para o Ticomia 2024: A melhor festa de São João do Brasil!

  A melhor festa de São João do Brasil. 37 anos de tradição, essência e muito forró! A festa começou sua história em 1987 com um grupo de universitários baianos que objetivavam valorizar e preservar o forró, ritmo e dança típicos da região Nordeste e as tradições juninas. 36 anos depois, o Ticomia continua sendo realizado no mesmo local, com a mesma proposta e essência, mas adaptada a conceitos da modernidade. É um dos únicos eventos do país que mantém uma grade de atrações 100% FORRÓ. No ano de 2022 o Ticomia recebeu o prêmio de melhor festa privada do São João da Bahia, e mais uma vez promete trazer um evento inesquecível. Área única dotada de uma mega estrutura e serviço ALL INCLUSIVE, onde você pode desfrutar dos mais variados tipos de bebidas e comidas: cerveja, água, refrigerante, frozen, cachaças, água de côco, caldo de cana, ligante, acarajé, abará, queijo coalho c/ melaço, pamonha, amendoim, milho cozido, tapioca, crepes, tradições gaúchas (porco e costela bovina no rolete), c

Alvorecer Santos é o convidado da edição de junho do Nosso Sarau

O Nosso Sarau promove mais uma edição nesta quarta-feira (19), às 18h, no KreativLab do Goethe-Institut Salvador, tendo como convidado Alvorecer Santos, que participa de um bate papo sobre a sua trajetória na literatura.  A programação inclui também um recital de poesia com Ametista Nunes, Cacau Novaes, Décio Torres, Dilu Machado, Emerson Bulcão, João Fernando Gouveia, Joel Gomes, Marcos Peixe e Rosana Paulo, além de apresentações musicais com Di Carvalho e Ritta Cidhreira. No local, acontece ainda um bazar com livros e CDs dos escritores(as) e cantores(as) presentes. O Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com o apoio do Goethe-Institut Salvador. A entrada é gratuita e o evento é transmitido também pelo perfil no Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor  Alvorecer Santos, nome artístico de Armando Rocha dos Santos, é natural de São Félix, na Bahia, mas se considera mangabeirense, pois viveu até os 18 anos na cidade de Governador Mangabeira, Bahia. Mestre em Estudo de Li

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Aos 14 anos, baiana Cacá Magalhães canta em programa nos EUA e chama atenção de DeGeneres

Jovem, dona de uma voz potente e orgulhosa da sua baianidade. Poderíamos estar falando de Ivete Sangalo nos idos dos anos 1990 ou de outras mulheres a exemplo da Margareth Menezes e Daniela Mercury nos anos 1980, mas não. A baiana em questão é Cacá Magalhães, de 14 anos e moradora da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.  Foto: Reprodução / Twitter Revelada para o mundo após participar do programa "Little Big Shots", da rede estadunidense de televisão NBC, no último domingo (24), cantando niguém menos que Nina Simone, ela conta que seu canto foi aflorado muito tempo antes, quando incentivada pelo seu avô começou a escutar canções de ritmos negros norte-americanos. "Quando eu era pequena meu avô sempre colocava Blues no carro e eu fui inspirada por isso. Eu escutava música e batucava em casa, minha irmã percebeu que eu tinha esse talento e meus pais logo me inscreveram em um conservatório de música", conta a adolescente. A trajetória no con