Pular para o conteúdo principal

Educativo Flip abre crowdfunding para ações continuadas em Paraty

O programa conta com uma biblioteca, mediação de leitura, doação de livros, atividades recorrentes da Flipinha e FlipZona e apoio pedagógico durante o ano todo. Em 2019, a Biblioteca Comunitária Casa Azul ganhou o Prêmio IPL - Retratos da Leitura, na categoria Bibliotecas

Para além da Flip – Festa Literária Internacional de Paraty, que acontece uma vez por ano e reúne escritores e leitores durante cinco dias ocupando a cidade, o Programa Educativo, dirigido por Belita Cermelli, tem por objetivo promover a inclusão comunitária e o diálogo intercultural por meio das artes e da literatura durante todo o ano em atividades que ocorrem na Biblioteca Comunitária Casa Azul, desde 2005, em ambiente digital –  mediações de leituras durante a pandemia -, doações de livros e ações em parceria com a Secretaria de Educação.


Foto: Coletivo Jovem Repórter

De março a agosto, com as crianças e jovens em casa cumprindo o isolamento social, o Educativo Flip distribuiu 11 mil livros às comunidades, além de cestas básicas e kit de higiene para 239 famílias. “Livro na mão é solução. Como não podem ir à escola, levamos as histórias até eles, com os livros em si e transmissões de leituras pelo facebook”, conta Belita. Ao todo, desde 2003, já foram doados mais de 40 mil livros e promovidas mais de 1.700  atividades. Durante a Flip, cerca de 50 eventos acontecem exclusivamente para este público (Biblioteca, Flipinha e FlipZona). “É urgente formarmos leitores de fato. Desde o início, o Programa Educativo já entregou dez vezes mais do que era previsto nas contrapartidas sociais exigidas pelos patrocinadores, o que nos mostra também a necessidade de atendermos os moradores de Paraty o ano todo, de forma independente das questões Flip”, completa.


Foto: Sara de Santis


Para dar continuidade ao projeto e garantir uma programação constante até março de 2021, o Educativo iniciou um crowdfunding (benfeitoria.com/educativoflip) que durará um mês (até 15/10) e tem três metas: 1ª) R$75 mil - Manutenção da Biblioteca Comunitária Casa Azul e equipe do Programa Educativo Flip no segundo semestre de 2020. 2ª) R$120 mil – Meta 1 + Criação da plataforma do Programa Educativo Flip e realização da edição 2020 da Flipinha e da FlipZona. 3ª) R$170 mil – Metas 1 e 2 + Manutenção da Biblioteca Comunitária Casa Azul e equipe do Programa Educativo Flip no primeiro trimestre de 2021.


Foto: Sara de Santis

Biblioteca Comunitária Casa Azul


Em 2013, a sede da Biblioteca mudou para a Ilha das Cobras, bairro urbano periférico da cidade de Paraty (RJ) de grande vulnerabilidade social. Diariamente, são realizadas atividades de mediação de leitura e apoio pedagógico dirigidas a estudantes da rede pública de ensino. A Biblioteca conta atualmente com um acervo de cerca de 18 mil exemplares, recebe visitas de escolas, realiza empréstimos de livros (com suporte especial para professores da rede de ensino) e desenvolve oficinas de arte-educação para crianças.


A cada ano, nos meses que antecedem a Festa Literária, oferece formação em mediação de leitura para educadores e futuros educadores de Paraty. Ao longo dos últimos anos foram formados mais de 400 mediadores que hoje atuam em salas de aula, bibliotecas comunitárias e em outros espaços. Durante a Flip, estes profissionais conduzem atividades de mediação de leitura nos espaços de programação da Festa.


Foto: Sara de Santis

Flipinha


Durante os dias da Flip, a Biblioteca disponibiliza parte do seu acervo para atender o público na Central Flipinha montada na Praça da Matriz, no Centro Histórico de Paraty. Neste ano, com a edição totalmente online, oito educadores escolhidos entre os moradores locais para comporem a comissão curatorial já preparam a programação apoiada em diversidade e buscando envolver a comunidade escolar nos encontros com autores. “Um dos nossos papéis é desmitificar o autor e o livro. Uma comissão está definindo os convidados, as crianças irão gravar perguntas e a conversa online será menos em formato de palestra e mais em tom de aproximação com os leitores”, conta Belita. Além disso, terá Formação em Mediação de Leitura e o Publique-se, que é uma oficina de técnicas de encadernação e experimentações gráficas, tendo como suporte temas ligados aos personagens e à cultura da região de Paraty.


Mediador Beto Silva - Foto: Coletivo Jovem Repórter

FlipZona


Em parceria com o Instituto Asas Comunicação Educativa, dirigida a um público de adolescentes e jovens, entre 13 e 20 anos, a FlipZona acontece desde 2009. A iniciativa formativa nasceu para, a partir da produção multimídia, aproximar os jovens do universo literário, promovendo ações educativas e culturais que resultam na convergência entre literatura, patrimônio cultural local, educação midiática e novas tecnologias. O projeto usa a metodologia da Educomunicação e as diretivas de Alfabetização Midiática e Informação (AMI) propostas pela Unesco, que entendem a educação midiática como pré-requisito para o exercício da cidadania e dos direitos humanos e para o fortalecimento democrático. Originalmente desenvolvidas de forma presencial, as oficinas da Central FlipZona estimulam e valorizam a autonomia crítica dos jovens, bem como sua potência criativa e transformadora. No primeiro semestre de 2019, em parceria com a BBC Brasil, a FlipZona ofereceu o Laboratório Criativo de Audiovisual, uma série de oficinas de experimentação artística e documental para jovens, que tinha como objetivo trabalhar questões relacionadas às Fake News. A atividade teve como temas geradores a vida e obra de Euclides da Cunha, integrando as temáticas discutidas pela Flip ao território e aos habitantes de Paraty. Os jovens participantes das oficinas também foram preparados para realizar a cobertura jornalística da Festa Literária, com suporte de diferentes mídias. Em 2020, em formato adaptado para o online, a programação conta com formação em alfabetização midiática e informacional e os Encontros TMJ, em que jovens paratienses protagonizam uma série de lives coletivas. “Será um momento de escuta. Jovens e adolescentes serão estimulados a falar sobre seus momentos em casa, sem escola, suas inquietudes e preocupações.”, conta Belita.

Números da Biblioteca até agosto de 2020

Visitantes: 58.868

Acervo catalogado: 17.280

Leitores cadastrados: 2.000

Empréstimo de livros: 22.875

Mediadores de leitura formados: 438

Doações de livros: 30.659

Instituições atendidas com doações de livros: 80

Módulos Biblioteca: 34

Oficinas realizadas pela equipe fixa da Biblioteca

público participante: 227

Oficinas realizadas por convidados

público participante: 369

Programações durante a Flip

público participante: 1.721 pessoas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Festival em Morro de São Paulo terá shows de Luiz Caldas, Jau, Cheiro de Amor, entre outras atrações

Após o Carnaval, Morro de São Paulo, Bahia, realiza, entre os dias 15 e 17 de fevereiro, a 7ª edição do Festival de Morro de São Paulo, reunindo grandes atrações para quem quer curtir um dos melhores destinos turísticos do verão brasileiro. Foto: Reprodução Artistas como Luiz Caldas, Jau, Filhos de Jorge, Afrocidade, Cheiro de Amor, Negra Cor e Batifun passarão pelo palco montado na Segunda Praia. De acordo com a organização do evento, será “Um festival comprometido em tornar este evento ainda mais ecologicamente responsável através da neutralização de carbono. Este não é apenas um festival, é uma vibração consciente e inesquecível para fechar o Verão com chave de ouro”.

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es

Festival de Morro de São Paulo suspende programação deste sábado (17)

Devido às fortes chuvas que atingem Morro de São Paulo na noite deste sábado (17), o Festival de Morro de São Paulo anunciou a suspensão da programação do dia, visando garantir a segurança do público. Com isso, as apresentações de Luiz Caldas e Filhos de Jorge foram canceladas. Os dias anteriores foram marcados pelo público lotando a Segunda Praia para os shows de Dayane Felix, Afrocidade, Cheiro de Amor, Batifum, Negra Cor e Jau. Hoje, o cantor Degê, fez o show de abertura da noite, antes da suspensão.

Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos” Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania.  Foto: Divulgação Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.   É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tan