Pular para o conteúdo principal

Lançamento de Antologia Poética promoverá difusão literária de nove poetas da Bahia na Colômbia

Entre os dias 20 e 30 de julho, acontecerá, na capital colombiana, via streaming, o XVIII Festival Internacional de Poesia de Bogotá. Esse ano, o evento homenageará a “Poesia contemporânea em língua românicas”. A produção literária baiana será difundida em edição especialmente para o país do escritor Gabriel José García Márquez.


Orillas de América Literária – Poesia Brasileira Contemporânea é a primeira antologia da série Nuestra Poesía Contemporánea, dirigida pela Portuário Atelier Editorial, editora colaborativa, sediada em Cachoeira, no Recôncavo da Bahia. A série objetiva provocar intercâmbios lítero-culturais entre a produção poética baiana e a hispano-americana, por meio da edição de antologias poéticas em português e em espanhol.

Nessa primeira etapa, a série privilegia nove vozes baianas, Orillas, com influências da tradição oral ibérica e africana, além da cultura literária clássica. A antologia revela-se nessa diversidade marcada por um intenso lirismo, possível de ser lido nos universos poéticos de Antônio Barreto, Cleberton Santos, Goulart Gomes, Iolanda Costa, José Inácio Vieira de Melo, Lílian Almeida, Vladimir Queiroz, Rita Santana e João Vanderlei de Moraes Filho, organizador da antologia e editor da série Nuestra Poesía Contemporánea.


O lançamento do Orillas de América Literária será no dia 22 de julho, via streaming, na programação do XXVIII Festival Internacional de Poesía de Bogotá, que contará com a participação do poeta colombiano Julio César Bustos e alguns autores que compõem a Antologia; além do público, que poderá participar acessando o endereço www.poesiabogota.org e pelas mídias sociais: YouTube, Facebook e Instagram (@FIPBO). A transmissão terá início às 17h30, na Colômbia, e 19h30, no Brasil.


Para o escritor e editor colombiano, Jaime Londoño, que escreve a orelha da antologia: "A voz poética precisa sentar-se a dialogar com outras vozes, justamente para nutrir-se. Pois a voz que se nutre nas fontes de outras vozes se vitaliza, se fortalece e se enriquece. Daí, a importância dessa encruzilhada de caminhos, de ideias e de imagens que propõe a antologia Orillas de América Literaria. Só quem navega e ouve o canto dos outros amplia os limites de seu conhecimiento e ajuda a estabelecer novos faróis para que as fronteiras existentes, cada vez sejam menores.”


É neste sentido que a Portuário Atelier Editorial esforça-se para fomentar uma experiência de leitura para além do efêmero exercício de entretenimento, privilegiando em suas edições grafias tingidas para ultrapassar limites pré-estabelecidos. Eis nossa bibliodiversidade.


O XXVIII Festival Internacional de Poesia de Bogotá

Com quase três décadas sendo realizado nos meses de abril e maio, o Festival Internacional de Poesía de Bogotá foi adiado em março, devido à pandemia da COVID-19. O adiamento causou transtornos ao Festival e, notadamente, à editora, que já tinha confirmada algumas apresentações da antologia em outros eventos literários, nas cidades de Medellín, Cali e Cartagena. Por conta do Coronavírus, a programação, pela primeira vez, acontecerá, exclusivamente, via streaming. Uma solução utilizada pelos principais eventos literários que tiveram impactos devido à pandemia, como a FILBO – Feira Internacional do Livro de Bogotá.



O XVIII Festival Internacional de Poesia de Bogotá acontecerá, entre os dias 20 e 30 de julho e homenageará a “Poesía contemporánea en lenguas romances”. Estão confirmados poetas da Argentina, Bolívia, Brasil, Catalunya/Espanha, Chile, Colômbia, Costa Rica, França, Guatemala, Itália, México, Peru, República Dominicana e Romênia.

Do Brasil, participarão: Lílian Almeida, José Inácio Vieira de Melo, Vladimir Queiroz e João Vanderlei de Moraes Filho, da Bahia, além de Alexandra Maia, Marilia García, as duas do Rio de Janeiro e o poeta Salgado Maranhão, que traz em no nome seu estado de poesia.

Toda programação será transmitida pelo site www.poesiabogota.org e nas mídias sociais do evento: Facebook e YouTube, nas página do Festival Internacional de Poesia de Bogotá, no Instagram, acesse: @FIPBO


Antecedentes Bahia – Colômbia

“Poesia é para juntar gente.” Costumava afirmar o saudoso Damário Dacruz, poeta baiano que a partir da sua participação no Festival Internacional de Poesía de Cartagena, na Colômbia, em 2005, deu os primeiros passos, aqui na Bahia, para promover poéticas e intercâmbios entre os dois países. A partir daí, alguns desdobramentos resultaram em processos cada vez mais intensos com a presença de poetas baianos em Cartagena.



A partir de 2007, com a política cultural do estado mais focada em ações estruturantes, aliada ao uso democrático do Fundo Estadual de Cultura, possibilitando de forma inédita acesso a bens cultuais e apoio financeiro de maneira inédita na Bahia, dez poetas baianos, foram contemplados com a mobilidade à Colômbia pelo projeto de Intercâmbio lítero-cultural: Bahia Caribe colombiano – Festival Internacional de Poesia de Cartagena de Índias. Isto se deu em um momento que a recém-criada Secretaria de Cultura do Estado da Bahia demostrava seu protagonismo diante das políticas públicas de cultura.

Para o pesquisador, editor da antologia e poeta, João Vanderlei de Moraes Filho, “a poesia escrita e oral produzida nas Américas é diversa e revela riquezas poéticas alinhadas a diferentes tradições lítero-culturais. Embora rica, não é satisfatoriamente difundida e/ou reconhecida entre as extensas ‘Orillas’ de Nuestra América. Seja por questões idiomáticas, políticas ou por interesses editoriais de capital internacional, os livros, as literaturas, as leituras, atingem, prioritariamente, certos espaços. Quase sempre, se distancia da continuidade necessária para implementar políticas públicas tanto no campo da cultura, quanto na educação. A democratização do acesso investe contra as desigualdades, e o estado deveria atuar de forma concreta para atingir tristes tradições que insistem permanecer. A notória instabilidade política no Brasil e alguma ações na Bahia, podem ser um bom exemplo para explicar tais descontinuidades”.

Ametista Nunes e Douglas e Almeida - Foto: Divulgação


Nos últimos quinze anos, foram mais de vinte poetas da Bahia em intercâmbio no Festival Internacional de Poesia de Cartagena. João Vanderlei de Moraes Filho, Douglas de Almeida, Wesley Correria, Geraldo Maia, Antônio Barreto, Wladimir Cazé, José Inácio Vieira de Melo, Walter Cézar, Clarissa Macedo, Rita Santana, Ametista Nunnes, Semírames Sé e Valdeck Almeida de Jesus são alguns nomes que já passaram pelo Festival, na Heroica cidade de Cartagena das Índias.


O Inverso ocorreu em número menor, todavia, foi possível intercambiar com os poetas colombianos, em 2012, Pedro Blás Júlio Romero e Gustavo Tatis, no Caruru dos Sete Poetas, em Cachoeira, Julio César Bustos, no Leituras Públicas, em Salvador, em 2013. E o poeta Rómulo Bustos Aguirre que durante dois anos seguidos, 2018 e 2019, participou do Caruru dos Sete Poetas, em Cachoeira e da Festa Literária Internacional do Pelourinho, em Salvador.



Fonte: Portuário Atelier Editorial

Comentários

  1. A poesia rompe fronteiras... Em relação à Colômbia, Damário DaCruz abriu caminhos...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes recebe os títulos de Doutor Honoris Causa e Embaixador da Cultura

José Carlos Assunção Novaes (Cacau Novaes) recebeu, na última edição do Nosso Sarau, os títulos de Doutor Honoris Causa e Embaixador da Cultura Brasileira, concedidos pela Universidade Ibero-Americana. A cerimônia de entrega aconteceu no dia 19 de junho no KreatvLab do Goethe-Institut Salvador, através do presidente da Fundação Luiz Ademir de Cultura, Luiz Ademir Souza. Também foram agraciados com o título de Doutor Honoris Causa, no mesmo dia e evento, a poeta Ametista Nunes e o escritor João Fernando Gouveia. José Carlos Assunção Novaes (Cacau Novaes) é poeta, escritor, professor, Mestre em Letras e Doutor em Língua e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Autor da novela "Marádida", dos livros de poesia "Os poetas estão vivos", "As Sandálias", Você não sabe do que é capaz", "Eu só queria ver o pôr do sol" e "Fonte de Beber Água", do livro infantil "Xande e o Sapo Romualdo", além da pesquisa linguistica &

Tudo pronto para o Ticomia 2024: A melhor festa de São João do Brasil!

  A melhor festa de São João do Brasil. 37 anos de tradição, essência e muito forró! A festa começou sua história em 1987 com um grupo de universitários baianos que objetivavam valorizar e preservar o forró, ritmo e dança típicos da região Nordeste e as tradições juninas. 36 anos depois, o Ticomia continua sendo realizado no mesmo local, com a mesma proposta e essência, mas adaptada a conceitos da modernidade. É um dos únicos eventos do país que mantém uma grade de atrações 100% FORRÓ. No ano de 2022 o Ticomia recebeu o prêmio de melhor festa privada do São João da Bahia, e mais uma vez promete trazer um evento inesquecível. Área única dotada de uma mega estrutura e serviço ALL INCLUSIVE, onde você pode desfrutar dos mais variados tipos de bebidas e comidas: cerveja, água, refrigerante, frozen, cachaças, água de côco, caldo de cana, ligante, acarajé, abará, queijo coalho c/ melaço, pamonha, amendoim, milho cozido, tapioca, crepes, tradições gaúchas (porco e costela bovina no rolete), c

Alvorecer Santos é o convidado da edição de junho do Nosso Sarau

O Nosso Sarau promove mais uma edição nesta quarta-feira (19), às 18h, no KreativLab do Goethe-Institut Salvador, tendo como convidado Alvorecer Santos, que participa de um bate papo sobre a sua trajetória na literatura.  A programação inclui também um recital de poesia com Ametista Nunes, Cacau Novaes, Décio Torres, Dilu Machado, Emerson Bulcão, João Fernando Gouveia, Joel Gomes, Marcos Peixe e Rosana Paulo, além de apresentações musicais com Di Carvalho e Ritta Cidhreira. No local, acontece ainda um bazar com livros e CDs dos escritores(as) e cantores(as) presentes. O Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com o apoio do Goethe-Institut Salvador. A entrada é gratuita e o evento é transmitido também pelo perfil no Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor  Alvorecer Santos, nome artístico de Armando Rocha dos Santos, é natural de São Félix, na Bahia, mas se considera mangabeirense, pois viveu até os 18 anos na cidade de Governador Mangabeira, Bahia. Mestre em Estudo de Li

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

'Rosa Tirana', filme do diretor poçoense Rogério Sagui, estreia na 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes

O filme "Rosa Tirana", produzido e dirigido pelo poçoense Rogério Sagui, estreia em grande estilo, ao participar da 24ª Mostra de Cinema de Tiradentes , em Minas Gerais, um dos mais importantes festivais de cinema do país. O longa-metragem, filmado no interior da Bahia, conta com a participação do ator José Dumont e tem também Elba Ramalho em sua trilha sonora. Foto: Divulgação "Rosa Tirana", que será exibido na "Mostra Aurora", dia 25 de janeiro, às 20h, conta a história da menina Rosa, que, em uma terra banhada de sol, durante a maior seca que o sertão nordestino já viveu, mergulha em uma longa travessia pela caatinga árida e fantasiosa, em busca de um encontro com Nossa Senhora Imaculada, a rainha do sertão. Com um tom perspicaz, a trama é envolvida por um amálgama de fatores que, na aridez da paisagem retratada, torna-se fertilizante para a compreensão do drama humano, a partir do olhar da pequena protagonista. Maior evento dedicado ao cinema brasileir