Pular para o conteúdo principal

Adão, Eva e o Patriarcado

O historiador Yuval Harari, em seu livro Sapiens, argumenta que os seres humanos se distinguem dos demais animais pela sua capacidade de inventar e compartilhar histórias. Segundo Harari, as histórias compartilhadas unem os seres humanos em sociedades. A força de coesão de um grupo depende da força do compartilhamento das histórias. 

Jorge Miklos - Foto: Divulgação

Chamamos de mito as histórias mais antigas que nossos ancestrais inventaram e compartilharam. Mitos narram acontecimentos grandiosos que envolvem personagens heroicos cujo desfecho, na maioria das vezes, é trágico. Mito não é sinônimo de mentira. Os mitos transportam significados que atribuímos ao mundo e contribui para organizá-lo dentro e fora da nossa cabeça. É dos mitos que os discursos ideológicos e políticos tiram sua força e, com isso, formatam condutas socialmente aceitas.

Uma das histórias que possui muita força na nossa cultura e que esculpe as nossas relações de gênero encontra-se no livro do Gênesis (2:21-23), do Antigo Testamento. Consta que após ter criado o mundo e o primeiro homem, Adão, Deus fez o homem cair em um sono profundo. Enquanto Adão dormia, Deus tirou-lhe uma costela e, com ela, Deus fez a mulher "carne da minha carne". Adão chamou a mulher de Eva.

O relato proporciona duas interpretações. A primeira é que Deus fez a mulher para o homem, pois entendeu que não era bom que o homem ficasse só. Assim, a mulher não foi criada por seu valor intrínseco, mas para alguém, para algo. É um instrumento, um acessório, uma assistente, uma acólita. A segunda é que a mulher é um apêndice do homem. A imagem servil e submissa é até hoje transmitida pela cultura que nomeamos de patriarcal.

Mesmo que a versão dominante seja a patriarcal, um caminho de transformação é compreender que não existe uma versão universal, singular de masculinidade. Há maneiras plurais do ‘ser homem’ e do ‘ser mulher’ que não cabem em uma única caixa.


Por Jorge Miklos

Sociólogo e analista junguiano. Dirige uma pesquisa sobre as masculinidades no mundo contemporâneo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Cacau Novaes lança livro na Festa Literária de Lençóis

O poeta e escritor Cacau Novaes participa da  Flilençóis – Festa Literária de Lençóis , que começa hoje (7) e vai até o domingo (9) com uma extensa programação. Foto: Divulgação Cacau Novaes  lança o livro “Marádida – uma luz no fim do túnel” (Cacau Novaes) no sábado (9) no Palco Gagum (Mercado Cultural). Esta é a primeira edição de um evento cultural segue a linha das “festas e feiras literárias”, uma modalidade que tem crescido na Bahia desde a Flica, em Cachoeira-BA — inspirada na Flip, que acontece em Paraty-RJ — tem como objetivo contribuir com a comunidade local e também turistas que viajam por essa belíssima cidade histórica que também é tombada como Patrimônio do Brasil pelo IPHAN. A FliLençóis visa o fortalecimento do movimento cultural e literário de Lençóis, uma cena repleta de talentos para a prosa e a poesia. Com atividades distribuídas entre o Palco Gagum/Mercado Cultural, FliArena, Flizinha, Flicine, Coreto Literário e Fli nas Escolas, a Flilençóis pretende envolver lite

Filhos de Jorge é a primeira atração confirmada para o #FIB24

  Banda foi escolhida por voto popular, nas redes oficiais do festival Foto: Laércio Lacerda Depois de estrear no palco Arena da Música by Coke Studio, no Festival de Inverno Bahia (FIB) deste ano, o palco principal será o próximo lugar que a banda Filhos de Jorge vai pisar. A atração foi escolhida pelo público para estar no line up do evento em 2024. A votação foi realizada nas redes sociais do festival (@fiboficial) e eles concorreram com Robertinha e Peu do Acordeon. Intitulados como ‘a banda do ballanssu’, o grupo, que já é conhecido na capital baiana, não vai deixar ninguém parado no FIB. Em suas influências musicais, eles trazem diversas vertentes da música baiana, o que permite uma mistura criativa de ritmos, mesclada com o balanço do axé e batidas marcantes.  “A palavra de ordem é gratidão! Queremos agradecer a todo mundo que cola, que acredita e sempre nos acompanha nas nossas missões. Nós, da banda Filhos de Jorge, somos muito mais felizes por sabermos que temos pessoas que a

Vera Passos Coqueiro lança Pandeminha no Nosso Sarau nesta quarta

A edição de agosto do Nosso Sarau recebe a escritora Vera Passos Coqueiro, como convidada, para um bate papo sobre a sua trajetória literária e o lançamento do seu novo livro “Pandeminha” e uma sessão de autógrafos. O evento acontece no dia 30/08 (quarta-feira), às 18h, no KreativLab do Goethe-Institut Salvador, com recital de poesia, apresentações musicais, bazar com exposição de livros e CDs dos artistas convidados, entre outras atrações. Participam do recital, Adriana Martins, Alvorecer Santos, Ametista Nunes, Cacau Novaes, Clarissa Macedo, Décio Torres, Lícia Souza, Luiz Eudes, Marcos Peixe, Martha Potiguar, Ramon Argolo e Rosana Paulo. Já as apresentações musicais terão Di Carvalho, Fabia Carvalho e Evandro Correia. Haverá ainda o microfone aberto para o público presente mostrar o seu trabalho artístico. Durante o sarau, haverá ainda a participação virtual de escritores de outros países, com Gonzalo Alvarino, da Colômbia, e Lorena Alejandro, do México.   O Nosso Sarau tem a produç

17 ª edição do Festival de Inverno Bahia celebra a diversidade e atrai públicos variados

Com público de 60 mil pessoas, festival contou com artistas do samba, piseiro, sertanejo e da música eletrônica em sua última noite   Foto: GS Produtora Quem previu que Thiaguinho estaria domingando em Conquista com certeza deve ter tido em mente a festa que seria da melhor qualidade. E foi desta forma que o Festival de Inverno Bahia iniciou o encerramento da sua terceira e última noite. Contando a história da sua carreira por meio da arte, ele trouxe para Vitória da Conquista o show “Meu Nome é Thiago André”. Thiaguinho - Foto: Divulgação TH percorreu os anos mais marcantes dos últimos 10 anos com grandes hits como “Energia Surreal”, “Desencana” e a mais esperada de todas “Falta Você”. Vibrando a energia da Bahia, o cantor fez todo mundo pular e não deixou ninguém parado. O piseiro também teve seu espaço garantido e foi representado pelo cantor Nattan, que apresentou os sucessos como “Tem Cabaré essa Noite” e “Love Gostosinho”. Nattan - Foto: Divulgação   “Estar dividindo esse palco c