Pular para o conteúdo principal

Workshop internacional de escritores e poetas de San Jacinto, Bolívar, Colômbia

Todos os sábados, às cinco horas da tarde na Colômbia, sete da noite no Brasil, escritores de toda cosmogonia, dúvidas e perguntas contraídas se reúnem para ouvir a outra dimensão da palavra. A força ilimitada da linguagem quando é transformada em arte.


Não há outra razão senão apreciar a poesia e sua capacidade de mover as batidas do coração amoroso e transformar sonhos em cores do arco-íris. Transformar toda a fé bela e divina, daquele coração que bate quando alguém está vivo. 

Como diria o grande escritor português Humberto Eco "A cor dos seus olhos é a cor da minha poesia, com o teu caminhar, caminham os meus versos, com seus cabelos na brisa balançam minhas palavras, coloco minha voz na sua mão para que você a leve com calma seus dedos".

O workshop é um ponto de confluência onde diferentes computadores portáteis, telefones de última geração e vozes de todo o mundo se reúnem, como o anti-burrobolsonarista, anti-supremacista e antídoto Valdeck Almeida, Cacau Novaes (irônico, mordaz e impertinente) e Cristina Leilane do Brasil. 

Também somos acompanhados por Silvia Jayo, da Argentina, uma fervorosa defensora dos direitos humanos e militante da liberdade. 

De (Espanha) Catalunha Josep Lieixà, o poeta de todos os mundos que renunciou ao seu futuro monárquico garantido para se tornar um hedonista sem coroa, poeta e viajante. 

Temos a presença de poetas de diferentes cidades da Colômbia reportadas com Covid 19. 

De Barranquilla, as provocadoras, sensuais, oníricas e sempre perturbadoras da estabilidade racional de homens bons e justos (eu me incluo) Janeth Gallego e Yenis Judith Mindiola

O pintor sempre radiante, afiado e crítico, pós-pandemia do mar aberto e inquisidor dos feitos falsos Oswaldo Cantillo. 

Rolando de Cruz, professor com antecedentes pirotécnicos a Macondo e um prestigioso empacotador de sardinha, peixe-gato e peixe-lixeiro que se orgulha de suas mesas evisceradas, onde, segundo o vigia, foram escritas as melhores histórias da vanguarda colombiana.

De Antioquia Josué Sánchez, escritores de Mompox e Caldas. 

De Santa Catalina, Bolívar a escritora, poeta e compositora Damaris Castro. 

De San Jacinto Alejandro Rodelo Caro, vencedor do sofisticado prêmio A Pena de Peruzinho Nobel desta semana.

Este grupo tem o anti-workshopista, incômodo, dissociador, anarquista e reciclador Gonzalo Alvarino. Ressalta-se que ele tem apenas alguns dias restantes em nossa oficina e ele já foi dispensado da Geração Falida, um grupo literário que por sinal distribui vales-alimentação, bônus e sacolas de Bem-estar aos seus membros como uma forma de chantagem para garantir a permanência dos escribas; Foi até comentado que eles aceitam justificativas metafísicas e teorias de aprimoramento pessoal para compensar criações.

Todos os escritores de San Jacinto e Colômbia são convidados a participar, de preferência aqueles que não têm registro de roubo de gás propano e não são denunciados na Liga da Justiça... mesmo que escrevam mal, estejam infectados de lugares comuns e tenham o clichê como um vaso comunicante e o expressionismo como uma metáfora da penteadeira.

Contatos: +57 300 753 1666 Whatsapp / Facebook: Poetas de San Jacinto



Por Neil Reyes Anillo

Escritor e poeta colombiano

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Festival em Morro de São Paulo terá shows de Luiz Caldas, Jau, Cheiro de Amor, entre outras atrações

Após o Carnaval, Morro de São Paulo, Bahia, realiza, entre os dias 15 e 17 de fevereiro, a 7ª edição do Festival de Morro de São Paulo, reunindo grandes atrações para quem quer curtir um dos melhores destinos turísticos do verão brasileiro. Foto: Reprodução Artistas como Luiz Caldas, Jau, Filhos de Jorge, Afrocidade, Cheiro de Amor, Negra Cor e Batifun passarão pelo palco montado na Segunda Praia. De acordo com a organização do evento, será “Um festival comprometido em tornar este evento ainda mais ecologicamente responsável através da neutralização de carbono. Este não é apenas um festival, é uma vibração consciente e inesquecível para fechar o Verão com chave de ouro”.

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es

Festival de Morro de São Paulo suspende programação deste sábado (17)

Devido às fortes chuvas que atingem Morro de São Paulo na noite deste sábado (17), o Festival de Morro de São Paulo anunciou a suspensão da programação do dia, visando garantir a segurança do público. Com isso, as apresentações de Luiz Caldas e Filhos de Jorge foram canceladas. Os dias anteriores foram marcados pelo público lotando a Segunda Praia para os shows de Dayane Felix, Afrocidade, Cheiro de Amor, Batifum, Negra Cor e Jau. Hoje, o cantor Degê, fez o show de abertura da noite, antes da suspensão.

Depois de participar da Flita, Cacau Novaes é presença confirmada na Flisba

Depois de participar da Flita - Festa Literária de Aratuípe, que ocorreu no último fim de semana (24 a 26/11), o poeta e escritor José Carlos Assunção Novaes, mais conhecido pelo nome artístico de Cacau Novaes, é presença confirmada na Flisba - Festa Literária do Sul, neste fim de semana 1º e 2 de dezembro. O escritor tem passado por diversas festas literárias, a exemplo de: Flipelô - Festa Literária Internacional do Pelourinho; Flipf - Festa Literária Internacional de Praia do Forte; Flilençóis - Festa Literária Internacional de Lençóis; Flica - Festa Literária Internacional de Cachoeira, Flita - Festa Literária de Aratuípe; e, agora, na Flisba - Festival Literário Sul Bahia. No Flisba, o autor lança o seu romance Marádida, participa do Sofá em Prosa e é um dos jurados do Slam Magnus Vieria, em homenagem ao saudoso artista iguaiense. Já no sábado, dia 02/12, às 16h, Cacau Novaes participa do Festival de Contação de Histórias do Coletivo Ser de Arte, com o seu livro infanto-juvenil &qu