Pandemia: O que estamos aprendendo?

Antes eu, você, todos nós poderíamos pensar: "Só mais um pouquinho, vou continuar dormindo na cama" ou "Aluz do Sol é dolorosa ou chata" ou, sei lá, "A luz me incomoda". Ou, "Tenho que levantar cedo para trabalhar". Antes pensávamos tantas mediocridades: compras supérfluas, ouvir pessoas fúteis. 

Foto: Divulgação

Estar entre seres desumanos. Antes do mundo inteiro estar se transformando em um planeta marcado por muitas dores, perdas e caos. Eu, você, começamos a ver nossos jovens amigos partirem subitamente. Nossos idosos serem tratados como objetos inanimados sem respeito a tudo que viveram. Nossos amigos negros desaparecerem por motivos injustos, absurdos e cruéis. Vimos com os nossos próprios olhos o quanto a humanidade já estava hiper contaminada de ideologias do mal e desumanidade, violência.

O mundo antes já estava um pandemônio. Para algumas pessoas, quem cuida da natureza é um imbecil. Quem cuida dos direitos das crianças e dos adolescentes, jovens e dos idosos também. Para algumas pessoas, somos completamente imbecis. Quem luta pelos direitos dos trabalhadores é um babaca, segundo uma minoria preconceituosa, usurpadora, elitista, ofensiva, estúpida. Quem luta por nós, mulheres, é um otário para estes seres desprezíveis que alcançaram fama, dinheiro, luxo, poder.

Quando estas pessoas que costumam pensar assim e não têm argumentos, só xingamentos, elas passam a querer matar, a querer destruir o mundo. Vivem num mundo rico em diversidade e não respeitam esta diversidade e os limites da nossa constituição e querem criar uma bolha capitalista selvagem para viverem em paz. Esta babaquice, esta estupidez tem que acabar. É preciso acabar com este sistema capitalista. Este sistema que coloca muito nas mãos de poucos. É um sistema excludente, avassalador, destrutivo, violento. É preciso criar uma nova estrutura de sociedade. É preciso dar o grito de basta! Chega! Quem paga mais impostos são todos que não possuem condições de vida adequada. Esta realidade dói. Chega! Basta! Vamos pensar no todo, no coletivo.

Já temos a noção de que este dia que se inicia não nos pertence mais. Tudo está nas mãos de Deus. E Deus está irado com tanta perversidade neste mundo. Mais um dia de luta em favor da vida. Mais um dia para não ter a vida sufocada. Para não morrermos sufocados. Para lutarmos também pela nossa jovem democracia. É triste ver jovens que só querem um minutinho de fama defenderem pessoas tão desqualificadas no poder, que trazem à tona teorias fascistas e nazistas, sem nem sequer compreenderem o significado da palavra cultura. Que desprezam a grande riqueza cultural do nosso país. Que afirmam ter nojo de índios. Que diariamente incitam pessoas ao discurso patético e negacionista do "gabinete do ódio". Eles inflamam ódio por onde deixam o seu rastro de dor e sangue. No lugar desta barbaridade, eles matam pessoas ingênuas através de fake news, ganhando adeptos por plantarem o discurso do ódio.

Uma forma de minar a confiança dos brasileiros e brasileiras naquelas pessoas que lutam por um país melhor. Infelizmente, as maiores vítimas de fake news não tiveram acesso à educação, informação, conhecimento, arte, cultura, ciência. Por não terem tido acesso a educação, que narra fatos históricos verdadeiros, as vítimas de falsas notícias estão sem condições de separar a verdade da mentira. Estes senhores e senhoras no poder torturam os que são mais frágeis e atacam os mais fortes opositores e críticos deles. Destroem sonhos. Essa gente mesquinha não valoriza Deus. Eles e elas proclamam-se os próprios deuses de uma parcela da população que, infelizmente, se acha representada por eles. Eles são falsos deuses. Vamos seguindo e lutando. "O Sol nasce para todos". Só não sabe quem não quer.


Por Andréa Ermelin

Comentários

Posts mais visitados

Ticomia recomeça dia 25 como a maior explosão de alegria do São João da Bahia

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

New face da 40 Graus Models, Ana Clara Rios passa férias na Bahia

Conheça “Raíz do Sertão”, novo álbum do rapper baiano TR MC

‘A rosa de Hiroxima’, de Vinicius de Moraes, em extraordinária interpretação de Ney Matogrosso