Pular para o conteúdo principal

Pandemia: O que estamos aprendendo?

Antes eu, você, todos nós poderíamos pensar: "Só mais um pouquinho, vou continuar dormindo na cama" ou "Aluz do Sol é dolorosa ou chata" ou, sei lá, "A luz me incomoda". Ou, "Tenho que levantar cedo para trabalhar". Antes pensávamos tantas mediocridades: compras supérfluas, ouvir pessoas fúteis. 

Foto: Divulgação

Estar entre seres desumanos. Antes do mundo inteiro estar se transformando em um planeta marcado por muitas dores, perdas e caos. Eu, você, começamos a ver nossos jovens amigos partirem subitamente. Nossos idosos serem tratados como objetos inanimados sem respeito a tudo que viveram. Nossos amigos negros desaparecerem por motivos injustos, absurdos e cruéis. Vimos com os nossos próprios olhos o quanto a humanidade já estava hiper contaminada de ideologias do mal e desumanidade, violência.

O mundo antes já estava um pandemônio. Para algumas pessoas, quem cuida da natureza é um imbecil. Quem cuida dos direitos das crianças e dos adolescentes, jovens e dos idosos também. Para algumas pessoas, somos completamente imbecis. Quem luta pelos direitos dos trabalhadores é um babaca, segundo uma minoria preconceituosa, usurpadora, elitista, ofensiva, estúpida. Quem luta por nós, mulheres, é um otário para estes seres desprezíveis que alcançaram fama, dinheiro, luxo, poder.

Quando estas pessoas que costumam pensar assim e não têm argumentos, só xingamentos, elas passam a querer matar, a querer destruir o mundo. Vivem num mundo rico em diversidade e não respeitam esta diversidade e os limites da nossa constituição e querem criar uma bolha capitalista selvagem para viverem em paz. Esta babaquice, esta estupidez tem que acabar. É preciso acabar com este sistema capitalista. Este sistema que coloca muito nas mãos de poucos. É um sistema excludente, avassalador, destrutivo, violento. É preciso criar uma nova estrutura de sociedade. É preciso dar o grito de basta! Chega! Quem paga mais impostos são todos que não possuem condições de vida adequada. Esta realidade dói. Chega! Basta! Vamos pensar no todo, no coletivo.

Já temos a noção de que este dia que se inicia não nos pertence mais. Tudo está nas mãos de Deus. E Deus está irado com tanta perversidade neste mundo. Mais um dia de luta em favor da vida. Mais um dia para não ter a vida sufocada. Para não morrermos sufocados. Para lutarmos também pela nossa jovem democracia. É triste ver jovens que só querem um minutinho de fama defenderem pessoas tão desqualificadas no poder, que trazem à tona teorias fascistas e nazistas, sem nem sequer compreenderem o significado da palavra cultura. Que desprezam a grande riqueza cultural do nosso país. Que afirmam ter nojo de índios. Que diariamente incitam pessoas ao discurso patético e negacionista do "gabinete do ódio". Eles inflamam ódio por onde deixam o seu rastro de dor e sangue. No lugar desta barbaridade, eles matam pessoas ingênuas através de fake news, ganhando adeptos por plantarem o discurso do ódio.

Uma forma de minar a confiança dos brasileiros e brasileiras naquelas pessoas que lutam por um país melhor. Infelizmente, as maiores vítimas de fake news não tiveram acesso à educação, informação, conhecimento, arte, cultura, ciência. Por não terem tido acesso a educação, que narra fatos históricos verdadeiros, as vítimas de falsas notícias estão sem condições de separar a verdade da mentira. Estes senhores e senhoras no poder torturam os que são mais frágeis e atacam os mais fortes opositores e críticos deles. Destroem sonhos. Essa gente mesquinha não valoriza Deus. Eles e elas proclamam-se os próprios deuses de uma parcela da população que, infelizmente, se acha representada por eles. Eles são falsos deuses. Vamos seguindo e lutando. "O Sol nasce para todos". Só não sabe quem não quer.


Por Andréa Ermelin

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carlinhos Brown lança "A bota", música em parceria com Guilherme Menezes

A canção “A bota”, lançada por Carlinhos Brown ontem à noite, se encaixa tão perfeitamente no infortúnio do afro-americado morto dias atrás por um policial branco. Pode ser interpretada como uma reação criativa inspirada no caso que incendiou os Estados Unidos e provocou reações no mundo inteiro. Mas só os últimos versos foram acrescentados por Brown, depois da morte de George Floyd, à composição do seu novo parceiro. Guilherme Menezes e Carlinhos Brown - Foto: Montagem/Reprodução Além de inserir referências ao episódio de Minneapolis, como algumas das últimas palavras de Floyd, Brown compôs um arranjo que confere força suficiente para a música esquentar ainda mais o debate sobre racismo pelo caminho da arte. O clipe de lançamento mescla cenas do cantor no estúdio, imagens de escravos em senzalas brasileiras e cenas dos protestos recentes nas cidades norte-americanas, num ritmo sincopado que lembra rodas de capoeira. De quebra, Carlinhos Brown devolve à música baiana, um compositor que

Tudo pronto para o Ticomia 2024: A melhor festa de São João do Brasil!

  A melhor festa de São João do Brasil. 37 anos de tradição, essência e muito forró! A festa começou sua história em 1987 com um grupo de universitários baianos que objetivavam valorizar e preservar o forró, ritmo e dança típicos da região Nordeste e as tradições juninas. 36 anos depois, o Ticomia continua sendo realizado no mesmo local, com a mesma proposta e essência, mas adaptada a conceitos da modernidade. É um dos únicos eventos do país que mantém uma grade de atrações 100% FORRÓ. No ano de 2022 o Ticomia recebeu o prêmio de melhor festa privada do São João da Bahia, e mais uma vez promete trazer um evento inesquecível. Área única dotada de uma mega estrutura e serviço ALL INCLUSIVE, onde você pode desfrutar dos mais variados tipos de bebidas e comidas: cerveja, água, refrigerante, frozen, cachaças, água de côco, caldo de cana, ligante, acarajé, abará, queijo coalho c/ melaço, pamonha, amendoim, milho cozido, tapioca, crepes, tradições gaúchas (porco e costela bovina no rolete), c

Alvorecer Santos é o convidado da edição de junho do Nosso Sarau

O Nosso Sarau promove mais uma edição nesta quarta-feira (19), às 18h, no KreativLab do Goethe-Institut Salvador, tendo como convidado Alvorecer Santos, que participa de um bate papo sobre a sua trajetória na literatura.  A programação inclui também um recital de poesia com Ametista Nunes, Cacau Novaes, Décio Torres, Dilu Machado, Emerson Bulcão, João Fernando Gouveia, Joel Gomes, Marcos Peixe e Rosana Paulo, além de apresentações musicais com Di Carvalho e Ritta Cidhreira. No local, acontece ainda um bazar com livros e CDs dos escritores(as) e cantores(as) presentes. O Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com o apoio do Goethe-Institut Salvador. A entrada é gratuita e o evento é transmitido também pelo perfil no Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor  Alvorecer Santos, nome artístico de Armando Rocha dos Santos, é natural de São Félix, na Bahia, mas se considera mangabeirense, pois viveu até os 18 anos na cidade de Governador Mangabeira, Bahia. Mestre em Estudo de Li

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Aos 14 anos, baiana Cacá Magalhães canta em programa nos EUA e chama atenção de DeGeneres

Jovem, dona de uma voz potente e orgulhosa da sua baianidade. Poderíamos estar falando de Ivete Sangalo nos idos dos anos 1990 ou de outras mulheres a exemplo da Margareth Menezes e Daniela Mercury nos anos 1980, mas não. A baiana em questão é Cacá Magalhães, de 14 anos e moradora da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.  Foto: Reprodução / Twitter Revelada para o mundo após participar do programa "Little Big Shots", da rede estadunidense de televisão NBC, no último domingo (24), cantando niguém menos que Nina Simone, ela conta que seu canto foi aflorado muito tempo antes, quando incentivada pelo seu avô começou a escutar canções de ritmos negros norte-americanos. "Quando eu era pequena meu avô sempre colocava Blues no carro e eu fui inspirada por isso. Eu escutava música e batucava em casa, minha irmã percebeu que eu tinha esse talento e meus pais logo me inscreveram em um conservatório de música", conta a adolescente. A trajetória no con