Pular para o conteúdo principal

5 motivos para assistir o filme A Paixão Segundo G. H., baseado na obra de Clarice Lispector

É isso mesmo que você leu: um dos maiores sucesso de Clarice Lispector, nosso amado livro “A Paixão Segundo G. H.”, irá se transformar em filme com estreia prevista para o segundo semestre de 2020 (mas ainda sem data confirmada). Trata-se de uma das mais esperadas e instigantes adaptações da literatura pois, dentre as obras de Clarice, G. H. parece ser a personagem mais soturna, mais voltada para dentro de si mesma e, provavelmente, a que mais busca conectar-se com os lados mais secretos da humanidade, não à toa é aquela que tem a atitude mais drástica, não?

Foto: Divulgação

Para quem não conhece A Paixão Segundo G. H., o livro conta a história de G. H. que, após dispensa da empregada, resolve entrar em seu quarto e fazer ela mesma a faxina do local. Ao entrar no recinto, ela vê uma barata morta ente as portas do armário e, em um gesto de autoconhecimento, resolve comer o animal morto. Imagina fazer isso no cinema? Como será que a equipe imaginou a cena?

O NotaTerapia separou 5 motivos para você assistir a adaptação cinematográfica da obra:

1- O diretor é Luiz Fernando Carvalho, diretor da série Capitu, baseada no livro Dom Casmurro, de Machado de Assis

Luiz Fernando Carvalho é um dos maiores diretores de televisão e cinema do Brasil. O seu maior clássico é a também dificílima adaptação do livro Lavoura Arcaica, do (quase) silencioso Raduan Nassar. Mas não só: o diretor, nos últimos anos, tem se especializado em adaptar grandes clássicos da literatura, como obras de Ariano Suassuna (A Pedra do Reino), Eça de Queirós, Roland Barthes, Milton Hatoum, José Lins do Rego, Graciliano Ramos, entre outros.

Luiz Fernando dirigiu uma das adaptações de maior sucesso da televisão: a série Capitu, baseada no clássico de Machado de Assis, uma das mais cultuadas das últimas décadas, que teve atuação do ator Michel Melamed no papel de Casmurro e a atriz Maria Fernanda Cândido interpretando Capitu mais velha.
O diretor já havia adaptação Clarice Lispector para a televisão, com Correio Feminino (2013), baseado em textos da autora para uma coluna feminina de jornal, com uma pegada pop e design dos anos 60.

Foto: Divulgação

2- Foram meses de ensaio e adaptação antes das gravações

As gravações do filme só foram feitas depois de muitos meses de ensaio em um galpão na Zona Oeste de São Paulo. Segundo matéria do Adoro Cinema, o diretor retomou um método bastante intensivo para a transposição da obra para a telona. Segundo o diretor, essa “adaptação é sempre complexa, mas quando se trata de Clarice Lispector, o fluxo de consciência presente na palavra escrita representa um desafio a mais.” A opção foi, então, por retomar um método semelhante ao que usou em Lavoura Arcaica, de 2001.

“Não acredito em adaptação. Eu trabalho diretamente sobre o livro, é como se o filme fosse uma espécie de resposta à leitura”, disse o diretor.

3- O filme é filmado á moda antiga, ou seja, em película, e não digitalmente

Fazer um clássico da literatura estimulou o lado clássico do diretor que optou por não filmar digitalmente, mas fazer um filme “à moda antiga”, em película. “O cinema para mim sempre foi muito ligado à textura da película. Eu preciso da textura da película, desta não realidade, da emulsão do grão. O imediatismo do vídeo aniquila o ritual [do cinema]. E, no caso de Clarice, o ritual é tudo”, afirmou.

Foto: Divulgação

4- Quem vai fazer G. H. é a grande atriz Maria Fernanda Cândido, a eterna Paola da novela Terra Nostra

O desafio de fazer G. H., essa mulher que é um dos grandes mistérios da literatura brasileira, ficou a cargo de Maria Fernando Cândido, conhecida desde o sucesso da televisão Terra Nostra. A atriz, que já trabalhara com o diretor na minissérie Capitu, ressaltou o desafio e o árduo trabalho que foi compor sua personagem: “Tem sido bastante intenso e rico. A gente acaba se descolando muito da nossa realidade, das nossas atitudes automatizadas. É difícil às vezes”. Para ela, adaptar Clarice torna o projeto ainda mais especial: “É sempre uma responsabilidade muito grande se aproximar de um personagem, qualquer que seja ele, mas Clarice [talvez seja mais especial”, contou a atriz.

5- É a primeira adaptação da obra para o cinema

Adaptar as obras de Clarice Lispector é sempre um grande desafio. De literatura introspectiva, com foco em uma “voz interior” das personagens, não é fácil a transposição para uma linguagem imagética como a do cinema. Não à toa, Clarice teve apenas três de seus livros ou contos adaptados para o cinema: o clássico A Hora da Estrela, de Suzana Amaral, em 1985; Estrela Nua, dirigido por José Antônio Garcia e Ícaro Martins, de 1985 e O Corpo, de José Antônio de Barros Garcia, de 1991, além de Correio Feminino, de Luiz Fernando Carvalho, para a televisão, de 2013.



Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Festival em Morro de São Paulo terá shows de Luiz Caldas, Jau, Cheiro de Amor, entre outras atrações

Após o Carnaval, Morro de São Paulo, Bahia, realiza, entre os dias 15 e 17 de fevereiro, a 7ª edição do Festival de Morro de São Paulo, reunindo grandes atrações para quem quer curtir um dos melhores destinos turísticos do verão brasileiro. Foto: Reprodução Artistas como Luiz Caldas, Jau, Filhos de Jorge, Afrocidade, Cheiro de Amor, Negra Cor e Batifun passarão pelo palco montado na Segunda Praia. De acordo com a organização do evento, será “Um festival comprometido em tornar este evento ainda mais ecologicamente responsável através da neutralização de carbono. Este não é apenas um festival, é uma vibração consciente e inesquecível para fechar o Verão com chave de ouro”.

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es

Festival de Morro de São Paulo suspende programação deste sábado (17)

Devido às fortes chuvas que atingem Morro de São Paulo na noite deste sábado (17), o Festival de Morro de São Paulo anunciou a suspensão da programação do dia, visando garantir a segurança do público. Com isso, as apresentações de Luiz Caldas e Filhos de Jorge foram canceladas. Os dias anteriores foram marcados pelo público lotando a Segunda Praia para os shows de Dayane Felix, Afrocidade, Cheiro de Amor, Batifum, Negra Cor e Jau. Hoje, o cantor Degê, fez o show de abertura da noite, antes da suspensão.

Depois de participar da Flita, Cacau Novaes é presença confirmada na Flisba

Depois de participar da Flita - Festa Literária de Aratuípe, que ocorreu no último fim de semana (24 a 26/11), o poeta e escritor José Carlos Assunção Novaes, mais conhecido pelo nome artístico de Cacau Novaes, é presença confirmada na Flisba - Festa Literária do Sul, neste fim de semana 1º e 2 de dezembro. O escritor tem passado por diversas festas literárias, a exemplo de: Flipelô - Festa Literária Internacional do Pelourinho; Flipf - Festa Literária Internacional de Praia do Forte; Flilençóis - Festa Literária Internacional de Lençóis; Flica - Festa Literária Internacional de Cachoeira, Flita - Festa Literária de Aratuípe; e, agora, na Flisba - Festival Literário Sul Bahia. No Flisba, o autor lança o seu romance Marádida, participa do Sofá em Prosa e é um dos jurados do Slam Magnus Vieria, em homenagem ao saudoso artista iguaiense. Já no sábado, dia 02/12, às 16h, Cacau Novaes participa do Festival de Contação de Histórias do Coletivo Ser de Arte, com o seu livro infanto-juvenil &qu