Pular para o conteúdo principal

O filho daquele que mais brilha: A incrível saga do Quilombo dos Palmares no Novo Mundo

Vivendo em Israel, mas com raízes nordestinas, o autor JP Santsil narra em seu romance de ficção histórica a incrível saga do Quilombo dos Palmares no Novo Mundo, e a trajetória de vida do seu líder Zumbi dos Palmares desde seu nascimento na N’gola N’janga (como era chamado o quilombo pelos descendentes africanos do antigo Congo), até a sua brutal morte nos sumidouros do atual Estado do Alagoas, assassinado pelo bandeirante paulista Domingos Jorge Velho.

Foto: Divulgação

A narrativa começa contando a história de um preto velho griot de nome Djeli, descendente dos antigos povos Mandês, os Mandinkas. Esse sábio ancião africano se torna o tutor espiritual e moral do jovem príncipe de Palmares, N’zambi. Quando este retorna ao quilombo após nove anos de sua captura por uma expedição portuguesa que incendiou boa parte desse refúgio dos negros escravizados no Novo Mundo.

O príncipe de Palmares, depois que retorna à N’gola N’janga, resolve viver junto ao preto velho Djeli. Pois sente em seu coração que poderia aprender muito da sua tradição africana, observando e escutando as ações e palavras deste ancião griot. Djeli vê em N’zambi o cumprimento de uma antiga profecia africana segundo a qual de tempos em tempos, no fim e no início de uma nova era, quando uma geração entra em caos, e o povo desta geração está em grande sofrimento e tamanha ignorância do Sagrado e Eterno Contínuo, surge um homem dotado de toda a força, o Grande Guerreiro que é o Filho Daquela Que Mais Brilha. E investe todos os seus esforços preparando o jovem N’zambi para ser esse grande guerreiro libertador.

A saga tem palco no período historicamente conhecido como Brasil Colonial, no Outeiro ou Serra da Barriga na antiga Capitania de Pernambuco, ou Nova Lusitânia, como era chamada pelos colonos portugueses, que compreendia os atuais estados de Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará, Alagoas e a porção ocidental da Bahia. E nos conta uma história de amor e luta, esperança e liberdade, e crenças messiânicas em um período trágico da história brasileira.

Está obra retrata os fatos verídicos da época, envolta em uma bela e inteligente ficção imaginativa. Comprovando a sagacidade e habilidade do autor, que provavelmente mergulhou a fundo na história, revivendo e coligando os muitos personagens, ambientes e situações que vão além das paliçadas do Quilombo dos Palmares.

Embasada em sete anos de pesquisa com viagens a Lisboa e Amsterdam e, quatro anos de escrita. A seguinte obra de ficção histórica literária, questiona: O que há de engodo? E, o que há de verdade nessa história? Desmistificando relatos, ou até, mitificando fatos não só da história do Quilombo dos Palmares, seus líderes e oponentes, como, também, revelando segredos e mistérios ocultos da descoberta e fundação do Brasil. Que vai desde a Europa Medieval, a inquisição católica e o aculturamento dos judeus sefarditas em cristãos-novos, e seus movimentos criptojudeus libertários, até a África e os seus muitos originais impérios africanos, desembarcando em terras dos nativos e originais povos das florestas tropicais sul-americanas, classificados pejorica e ignorantemente, como: "índios", pelos cristãos ibéricos europeus. Relatando, também, a colonização espanhola e holandesa, em especial, a Capitania de Pernambuco.

Nenhum outro livro revela a fantasia que virou realidade, e a verdade que se transformou em engodo como este. Sendo um romance de ficção histórica, porém, preservando 100% dos fatos, assim ditos, verídicos pelos historiadores. Revelando segredos acadêmicos, desmistificando os achismos e impressões dos muitos historiadores, como os seus objetivos e discursos manipulatórios. Também, desmascara a fantasia histórica criada pelos diversos movimentos de ativismo negro, em relação a Palmares e seus líderes, para embasar as suas causas e objetivos. Não procurando agradar nem a grego e, nem a troianos, nem a "pretos" e, nem a "brancos", mas buscando relatar um pouco de verdade histórica, sem manipulações partidárias.

​Incluindo a tudo isso: muita poesia; filosofia; sabedorias práticas, suficientes, sustentáveis e permanentes do cotidiano e da natureza; além de muita cultura, ancestralidade e espiritualidade por parte do protagonista, o preto velho GRIOT, Djeli.

Obra indispensável não só para os brasileiros, como também para aqueles que querem entender esse grande holocausto humano que foi a escravidão nas Américas e seus processos abolicionistas. É também uma divertida forma de se ler a história, sendo romanceada, em que os personagens são vivos, falam e pensam, indo muito mais além dos livros acadêmicos, em que os historiadores relatam apenas ações, cujo esses mesmos personagens não são animados, mas cadáveres expostos nos museus das letras. Sendo, um documento animado, dramatizado e romantizado, sem partido, dando aos personagens emoção e vida.

Se quiserem não tão-somente entender, mas viver o que aconteceu no período colonial português, holandês e espanhol no Brasil, não deixem de ler esta incrível obra com que o autor JP Santsil presenteou a humanidade, com: O FILHO DAQUELA QUE MAIS BRILHA: A incrível saga do Quilombo dos Palmares no Novo Mundo.

Biografia:

Nasceu em Salvador, capital do Estado da Bahia, tendo se dedicado mais da metade de sua vida a projetos de ativismo social, educacional, cultural e ecológico com crianças e jovens em estado de risco e extrema pobreza nas favelas e comunidades carentes do Brasil e Ecuador. Atualmente vive e é cidadão do Estado de Israel, oriente médio asiático, onde se dedica a projetos ecologicamente sustentáveis, e em particular, numa mesinha de sua casa em sua espiritualidade tenta criar um mundo novo mais ou menos perfeito em sua paixão por escrita e amor a literatura. ​

Como adquirir o livro:
  • Site da Chiado Books (frete grátis para todo o Brasil, lembrando que é necessário trocar a moeda de EURO para REAL no ícone vermelho acima)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes é o escritor convidado do Nosso Sarau deste mês, dia 15

O escritor Cacau Novaes é o convidado da edição deste mês do Nosso Sarau, que acontece no KreatvLab do Goethe Institut Salvador, dia 15/04, às 18 horas, com entrada gratuita. Produtor e curador do evento, há 6 anos, o autor participa, de um bate papo mediado por Décio Torres, pela primeira vez como escritor convidado, em que falará sobre a sua trajetória literária e seu novo livro de poesia: “Eu só queria ver o pôr do sol”. A apresentação ficará por conta de Rosana Paulo, que comandará o recital de poemas com Alvorecer Santos, Douglas de Almeida, Jeane Sánchez, Luiz Eudes, Marcos Peixe, Rita Pinheiro, Rita Santana e Vitória Régia, além das apresentações musicais de Chá Rize, Di Carvalho e Sílvio Correia. O Nosso Sarau acontece desde 2018, com apoio do Goethe Institut Salvador. A produção do evento nesta edição ficará com Marcos Peixe e a curadoria com Alvorecer Santos. Toda a programação também será transmitida pelo perfil do Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor Cacau Novaes

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Aos 14 anos, baiana Cacá Magalhães canta em programa nos EUA e chama atenção de DeGeneres

Jovem, dona de uma voz potente e orgulhosa da sua baianidade. Poderíamos estar falando de Ivete Sangalo nos idos dos anos 1990 ou de outras mulheres a exemplo da Margareth Menezes e Daniela Mercury nos anos 1980, mas não. A baiana em questão é Cacá Magalhães, de 14 anos e moradora da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.  Foto: Reprodução / Twitter Revelada para o mundo após participar do programa "Little Big Shots", da rede estadunidense de televisão NBC, no último domingo (24), cantando niguém menos que Nina Simone, ela conta que seu canto foi aflorado muito tempo antes, quando incentivada pelo seu avô começou a escutar canções de ritmos negros norte-americanos. "Quando eu era pequena meu avô sempre colocava Blues no carro e eu fui inspirada por isso. Eu escutava música e batucava em casa, minha irmã percebeu que eu tinha esse talento e meus pais logo me inscreveram em um conservatório de música", conta a adolescente. A trajetória no con

Os morcegos estão comendo os mamãos maduros, de Gramiro de Matos

Sim, morcegos de fato comem mamãos, ou mamões maduros, mas, não é sobre morcegos nem sobre mamões o segundo e que eu saiba, derradeiro romance de Gramiro de Matos, ou Ramiro de Matos, ou Ramirão Ão Ão, cujo subtítulo, é,”O besta y a doida”, é sobre... Bem, é sobre lombrigas e angústia, sobre o que fazer da vida, seja você um viadinho suburbano, uma filha de deputado, um bêbado amante da filha do deputado, um maconheiro, um pintor ensandecido, um atropelado, ou duas belas jovens pegando carona na Rio-Bahia. O livro é sobre o belo e o horroroso da vida, que você pode passar com dor ou com muita dor. A escolha é sua, ou talvez não, mas, porém, contudo e entretanto, “O besta y a doida”, que mistura português com espanhol, James Joyce ( seu Jaime, para os chegados) com Gregório de Matos, os tupis e os atlantes, não é um livro triste, pelo contrário, é um livro até esperançoso, Macunaíma dos anos 70,embora o autor prefira Oswald a Mário de Andrade, mas o que sabe um autor do livro que

Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos” Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania.  Foto: Divulgação Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.   É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tan