‘A rosa de Hiroxima’, de Vinicius de Moraes, em extraordinária interpretação de Ney Matogrosso

“O sonho da razão produz monstros”
– Goya (pintor espanhol)

A Rosa de Hiroshima é um poema do poeta e compositor Vinicius de Moraes. O poema tornou-se um grande protesto, primeiro em forma de poesia e mais tarde em forma de música. Os versos abordam as consequências da guerra, o desastre que as bombas atômicas – apelidadas pelos norte-americanos de Fat Man e Little Boy – fizeram nas cidades de Hiroshima e Nagasaki, no Japão, durante a Segunda Guerra Mundial.

Ney Matogrosso - Foto: Divulgação

Criado em 1945, o poema foi primeiro publicado no livro Antologia Poética. Mais tarde, em 1973, os versos foram musicados. A canção foi lançada no disco de estreia do grupo Secos e Molhados. A sua composição melódica é da autoria de Gerson Conrad, integrante do referido conjunto, cuja formação inicial também incluía João Ricardo e Ney Matogrosso.

A ROSA DE HIROXIMA

Pensem nas crianças
Mudas telepáticas
Pensem nas meninas
Cegas inexatas
Pensem nas mulheres
Rotas alteradas
Pensem nas feridas
Como rosas cálidas
Mas oh não se esqueçam
Da rosa da rosa
Da rosa de Hiroxima
A rosa hereditária
A rosa radioativa
Estúpida e inválida
A rosa com cirrose
A antirrosa atômica
Sem cor sem perfume
Sem rosa sem nada.

Vinicius de Moraes (Rio de Janeiro: ‘Antologia Poética’ – 1954) 


Hiroshima – 6 de agosto de 1945

A primeira explosão de uma bomba atômica na história da humanidade aconteceu no dia 6 de agosto de 1945, uma segunda-feira. A bomba foi lançada sobre o centro da cidade de Hiroshima às 8h15 da manhã. Como o horário comercial começava às 8h da manhã, muitas pessoas foram atingidas em fábricas e escritórios. A bomba, chamada pelos norte-americanos de Little Boy, continha 50 quilos de urânio 235, com potencial destrutivo equivalente a 15 mil toneladas de TNT. O calor liberado pela bomba foi de 100 calorias/cm² no grau zero, 56 calorias/cm² a 500 metros e 23 calorias/cm² a mil metros do centro da explosão. A bomba matou cerca de 140 mil pessoas. Oitenta mil foram mortas imediatamente.

Bomba atômica sobre Hiroshima (esquerda) e Nagasaki (direita), agosto 1945 - Reprodução

Três dias após o ataque sobre Hiroshima, em 9 de agosto de 1945, os EUA lançaram uma segunda bomba nuclear sobre a cidade de Nagasaki, o que levou à capitulação do Japão seis dias mais tarde e pôs fim à Segunda Guerra Mundial.

Comentários

Posts mais visitados

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

O perigo das Fake News para a sociedade e o impacto às pessoas e instituições

Os morcegos estão comendo os mamãos maduros, de Gramiro de Matos

Sérgio Mattos: Bernardo Rabello, nova aposta da moda nacional

Manifesto dos Escritores, Artistas, Cientistas, Jornalistas, Professores e Pensadores Baianos pela Democracia