Pular para o conteúdo principal

A trajetória acadêmica de Thelminha: prounista e a única mulher preta da turma

Na universidade, Thelma não tinha condições de comprar os instrumentos e os livros do curso, usava fotocópias e almoçava todo dia no restaurante popular

Thelma Assis, mulher preta, médica anestesiologista, foi a grande vencedora da histórica final do Big Brother Brasil (BBB20)! Mas a luta de Thelminha, infelizmente, não se resume a ganhar um reality. Nascida e criada na periferia de São Paulo, e adotada com três dias de vida, estudou com bolsa e foi a única mulher negra de sua turma na universidade.

Thelma se formou em medicina sendo a única mulher negra da turma - Foto: Reprodução

Seu sonho de ser médica surgiu ainda criança, quando foi tratada de uma bronquite. Para conseguir entrar no curso de medicina, ela passou três anos estudando em cursinho. Após as três tentativas, Thelma cursou a graduação na PUC-SP, no campus de Sorocaba, com bolsa de 100% pelo Programa Universidade para Todos (ProUni).

Seus pais adotivos, a funcionária pública aposentada Yara Assis, e o gráfico Carlos Alberto de Assis, moveram o mundo para dar a melhor educação para a filha. Thelma havia estudado em escola particular até o final do ensino médio (antes disso estudou em escola pública), fez balé e ajudava os pais a pagar a mensalidade do cursinho dando aulas e distribuindo panfletos.

“Eu sou fora da curva: fiz colegial em escola pública, fiz cursinho de R$ 120, que era o que minha mãe podia pagar, consegui uma bolsa em um cursinho melhor e entrei [na universidade] como bolsista. Eu era a única menina negra da minha turma. Tinham 100 pessoas, 99 eram brancas“, contou a sister, enfatizando a luta pelo diploma e a falta de negros nas universidades.

A foto da formatura da Thelma repercutiu nas redes sociais - Foto: Reprodução/TV Globo

"Eu estudei com filho de político, de fazendeiro, e o kit básico para entrar na minha sala era ganhar carro e apartamento e eu não tinha um livro”, disse a anestesiologista.

Entrar na universidade é difícil, manter-se nela é outra realidade ainda mais dura em um país racista e desigual como o nosso. Já matriculada, Thelma não tinha condições de comprar os instrumentos e os livros do curso, que são caríssimos. Para economizar, usava fotocópias e almoçava no restaurante popular a R$ 1.

Sua formatura foi uma explosão de emoção! Só de lembrar de toda sua trajetória para chegar ali, impossível não derrubar as lágrimas. Antes de topar entrar no BBB20, a médica anestesiologista trabalhava em quatro hospitais da grande São Paulo.

Confira imagens da formatura de Thelma na faculdade de medicina:


“Quando a mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela.” (Angela Davis)



Fonte: Catraca Livre

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Cacau Novaes lança, neste sábado (6), seu novo livro: “Eu só queria ver o pôr do sol”

O poeta e escritor Cacau Novaes lança, neste sábado (6), às 16h, o seu novo livro de poemas, intitulado “Eu só queria ver o pôr do sol”, pela Editora Mondrongo. O evento acontece em Salvador, na Cervejaria ArtMalte, na Rua Feira de Santana, 354, Rio Vermelho. Neste seu novo livro, Cacau Novaes se debruça sobre a terra arrasada pelas guerras, as mazelas da humanidade, os problemas sociais das grandes cidades, como os esgotos a céu aberto, entro outros. Poesia que nasce no seio de onde vem o cheiro de miséria e a desigualdade. Outros cinco autores também lançam, além de Cacau Novaes, os seus livros, no mesmo dia e local, em uma grande celebração literária: André Lemos, Antônio Brasileiro, Clara Pamponet, Douglas de Almeida e Vinícius Cardona. Segundo Gustavo Felicíssimo, editor da Mondrongo, será um “esquenta” para a Bienal do Livro da Bahia, que acontece de 26 de abril a 1º de maio no Centro de Convenções da Bahia. Durante a bienal, no Espaço das Editoras baianas, haverá um segundo mo

Nosso Sarau inicia encontros de 2024 com Douglas de Almeida e convidados

O Nosso Sarau volta às atividades, iniciando os encontros deste ano com muita poesia, música, bate papo literário, entre outras atividades artísticas. A primeira edição de 2024, no dia 20 de março, às 18h, traz como convidado o poeta Douglas de Almeida. O escritor falará sobre a nova edição de seu livro “Não sei se sou”, que foi relançado recentemente no MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, e sua trajetória literária, sob mediação de Cacau Novaes. Haverá ainda uma sessão de autógrafos. Durante o evento, acontece um recital de poesia com a participação de Alvorecer Santos, Ametista Nunes, Cacau Novaes, Jeane Sánchez, Jovina Souza, Luís Aseokaynha, Marcos Peixe, Ramon Argolo e Rosana Paulo. As apresentações musicais serão com Di Carvalho e Evandro Correia, abrilhantando a noite com canções autorais. Realizado mensalmente no Goethe-Institut Salvador, o Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com colaboração de Alvorecer Santos e Marcos Peixe. A entrada é gratuita. Sob

Maravilhas do conto português para o leitor brasileiro

Depois de  A cidade de Ulisses , Teolinda Gersão, uma das mais importantes contistas e romancistas da literatura portuguesa contemporânea, lança agora no Brasil  Alice e outras mulheres , uma antologia de contos organizada por Nilma Lacerda. Se, em  A cidade de Ulisses , está Lisboa no poema épico de Homero, em "Alice in Thunderland", conto que fecha a nova antologia, a escritora portuguesa revisita a personagem de Lewis Carrol, registrando a sua versão da história: “Vou repor a verdade e contar eu mesma a história, tal como agora a contei, em pensamento”. O livro conta com textos já publicados por Teolinda ao longo de seus 40 anos de trajetória literária, no entanto, esta organização publicada pela editora Oficina Raquel é inédita para o público brasileiro. Por trás da escolha dos contos que compõem a seleta, está o objetivo de mostrar todo o poder do feminino, ainda que muitas vezes silenciado e, neste sentido, nada melhor do que uma das mais célebres personagens da nossa l

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es