Pular para o conteúdo principal

Livro sobre o português popular da Bahia será lançado 17 de março em Salvador

A Livraria Leitura e a Paco Editorial promovem no próximo dia 17 de março, às 19h, no Salvador Shopping, o lançamento do livro O sujeito nulo no português popular da Bahia, de autoria do Professor e Mestre em Letras José Carlos Assunção Novaes.


O sujeito nulo no português popular da Bahia trata de um estudo importante acerca do português falado popularmente no interior do estado da Bahia, considerando aparatos teóricos e determinadas frentes da linguística, como o conceito de variação linguística, traçando relação entre língua e sociedade.

O autor busca com esta obra, descrever e analisar o processo que ocorre ao haver a ocultação do sujeito pronominal em determinados contextos e, para tanto, considerou sua pesquisa de campo no município de Poções, região sudoeste da Bahia. Essa é uma obra que valoriza a história, a cultura e a língua brasileira, e como se relacionam.


O livro é uma adaptação da pesquisa realizada pelo autor, durante o curso de Mestrado em Letras na Universidade Federal da Bahia (UFBA), com orientação do Professor e Doutor Dante Lucchesi, que também assina na contracapa uma apresentação do trabalho.

Atualmente, José Carlos Assunção Novaes é estudante de doutorado do Programa de Pós-Graduação de Língua e Cultura da UFBA – PPGLinC, onde desenvolve uma pesquisa sobre o sujeito nulo no português afro-brasileiro na comunidade quilombola de Lagoinha, localizada no município de Nova Canaã, Bahia.


Sobre o autor


José Carlos Assunção Novaes (Cacau Novaes) é autor de Marádida (Selo Letras da Bahia, 2002; Editora Buriti, 2017); Os poetas estão vivos (Editora Mondrongo, 2015); As Sandálias (Editora Mondrongo, 2016); Você não sabe do que é capaz (Editora Penalux, 2017); Xande e o Sapo Romualdo (Editora Penalux, 2021); O Sujeito Nulo no Português Popular da Bahia (Paco Editorial, 2021). Participou do e-book Concepções e perspectivas para a educação, vol. 1 (Amplamente Cursos e Formação Continuada, 2021) com o artigo A variação social e o parâmetro do sujeito nulo. Publicou também em várias antologias de poesias e contos no Brasil, Portugal, Argentina e Colômbia. Estudante de doutorado em Língua e Cultura, Mestre em Letras, Especialista em Língua Portuguesa, Língua Portuguesa com Ênfase em Produção Textual e Jornalismo Empresarial e Assessoria de Imprensa, Licenciado em Letras Vernáculas. É membro correspondente da Academia de Letras de Goiás (ALG), da Academia de Artes Ciências e Letras de Vitória (ACLAV) e do Núcleo Acadêmico de Letras e Artes de Portugal (NALAP). Recebeu diversas premiações, dentre elas: Troféu Castro Alves de Poesia Falada (Câmara de Vereadores de Salvador, 2005); Prêmio Romaria (EDC/Fundação Luiz Ademir/UNI-American, 2007); Prêmio Leonardo (Instituto de Cultura Brasil Itália Europa, Salvador, 2015); Troféu Cora Coralina, (Academia de Letras de Goiás, 2016); Prêmio Nordeste de Literatura (Literarte, 2016) Troféu Machado de Assis (2017), Núcleo Acadêmico de Letras e Artes de Lisboa, Medalha Nelson Mandela (Literarte / ALMAS, 2019). Sua biografia está no Dicionário de Autores Baianos publicado, em 2006, pela Secretaria de Cultura e Turismo do Estado da Bahia. É Cônsul do Parlamento Internacional de Escritores de Cartagena (Colômbia), membro do Conselho Editorial da Revista Ecléctica (Colômbia), idealizador e curador do Nosso Sarau, evento realizado na biblioteca do Goethe-Institut Salvador. Foi membro do Conselho Municipal de Política Cultural de Salvador (2017-2019) e é membro do Conselho Estadual de Cultura da Bahia. É coordenador da Antologia Bardos Baianos Território Médio Sudoeste da Bahia (Cogito Editora) a ser lançada ainda este mês.


Serviço

O quê: Lançamento do livro O sujeito nulo no português popular da Bahia

Autor: José Carlos Assunção Novaes

Onde: Livraria Leitura – Salvador Shopping – Piso L2

Quando: 17 de março – 19 horas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Festival em Morro de São Paulo terá shows de Luiz Caldas, Jau, Cheiro de Amor, entre outras atrações

Após o Carnaval, Morro de São Paulo, Bahia, realiza, entre os dias 15 e 17 de fevereiro, a 7ª edição do Festival de Morro de São Paulo, reunindo grandes atrações para quem quer curtir um dos melhores destinos turísticos do verão brasileiro. Foto: Reprodução Artistas como Luiz Caldas, Jau, Filhos de Jorge, Afrocidade, Cheiro de Amor, Negra Cor e Batifun passarão pelo palco montado na Segunda Praia. De acordo com a organização do evento, será “Um festival comprometido em tornar este evento ainda mais ecologicamente responsável através da neutralização de carbono. Este não é apenas um festival, é uma vibração consciente e inesquecível para fechar o Verão com chave de ouro”.

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es

Festival de Morro de São Paulo suspende programação deste sábado (17)

Devido às fortes chuvas que atingem Morro de São Paulo na noite deste sábado (17), o Festival de Morro de São Paulo anunciou a suspensão da programação do dia, visando garantir a segurança do público. Com isso, as apresentações de Luiz Caldas e Filhos de Jorge foram canceladas. Os dias anteriores foram marcados pelo público lotando a Segunda Praia para os shows de Dayane Felix, Afrocidade, Cheiro de Amor, Batifum, Negra Cor e Jau. Hoje, o cantor Degê, fez o show de abertura da noite, antes da suspensão.

Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos” Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania.  Foto: Divulgação Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.   É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tan