Pular para o conteúdo principal

Novo livro de contos de Nelson Maca tem lançamento no dia 10 de dezembro

Cotidiano tenso de Salvador é retratado nos contos de Relatos da Guerra Preta ou Bahia Baixa Estação, de Nelson Maca

Da morte violenta às humilhações nas batidas policiais; a busca por uma internação num hospital, por um enterro digno ou pela reintegração social. Estas e outras tensões do cotidiano do povo preto de Salvador permeiam os 19 contos de Relatos da Guerra Preta ou Bahia Baixa Estação, novo livro do professor e militante Nelson Maca, 55 anos, que terá lançamento no dia 10 de dezembro, com a ocupação Tabuleiro Bélico, no Terreiro de Jesus, das 10h às 17h.

Nelson Maca - Foto: Divulgação

O conjunto de textos dialoga com a realidade geográfica e simbólica da Bahia Preta, como o autor define o universo em que seus personagens transitam. Relatos da Guerra Preta funda-se na ideia central de como o preconceito, a discriminação e o racismo se perpetuam como elementos estruturantes da nossa sociedade.

As histórias são inspiradas em relatos ouvidos e presenciados pelo autor em suas incursões pela cidade. Textos como Passagem do Meio, Farinha do Desprezo, Carterada, Saidêra e Tá na UTI Graças a Deus que, de diferentes maneiras, retratam a luta pela sobrevivência da população negra como um ato bélico numa experiência de cidadania desde sempre inconclusa.

Na visão geral do livro, a realidade do soteropolitano serve como metonímia da estrutura sócio-racial forjada no Brasil colonial e que se mantém até hoje. Relatos da Guerra Preta faz um panorama objetivo da herança de violência, miséria e rejeição recebida pela comunidade negra. Com esses fios históricos, Maca traça sua teia de conflitos calcada no que o escritor Marcelino Freire, que assina o texto de apresentação do livro, interpreta como escrevivência, ao aproximá-lo da escrita de Conceição Evaristo. O texto da orelha é do escritor mexicano Alejandro Reyes e o posfácio da professora baiana Ana Carla Portela.


“Procuro me inserir no debate literário em torno da negritude cotidiana, principalmente na luta do povo negro pela sobrevivência em pleno século XXI. Essa batalha cotidiana para se manter vivo é o que chamo de Guerra Preta”, afirma Maca. Um dos mecanismos que ele utiliza para isso é figurar como narrador e também personagem de alguns contos.


“O que busco é um híbrido, até porque todos os argumentos e assuntos do livro partem de experiências que tive ou que me foram relatadas. Logicamente, há muito espaço para a fabulação, mas uma das estratégias narrativas do livro é o aproveitamento de biografias”, reflete. “Outro objetivo é a busca de uma prosódia específica, porém, se possível, não estereotipada em excesso”, completa.


O livro é dividido em oito partes, cada uma explorando um conceito do universo bélico: Correspondente, Trincheira, Batalha, Recuo, Retaguarda, Confronto, Baixas e Trégua. Segundo o autor, a intenção é generalizar o conceito de guerra, mostrando a luta, por todos os meios possíveis e necessários, para se manter vivo e ter alguma qualidade de vida. E não julgar ou condenar comportamentos e atitudes dos personagens - narrados a partir da ética própria do universo em que circulam no mundo e no texto.

Adepto do conceito e estudioso da Literatura Negra, Nelson Maca procura construir negritude em seus textos: na temática, no vocabulário, na sintaxe e no ritmo. “Interessa-me profundamente como se dá e até aonde vai o convívio entre ética e estética na poética da negritude, no estilo e na percepção de mundo”, diz Maca, que lançou em 2015 o livro Gramática da Ira e, em 2019, o libreto Go Afrika, ambos de poemas.


Relatos da Guerra Preta ou Bahia Baixa Estação estampa em sua capa a tela Espanto, da pintora Ayeola Moore, de Guadalupe. A arte da capa é do designer Welon Santos e a diagramação e arte geral de Francisco Benevides e Andrew César. O livro é a terceira publicação do autor e do selo Blackitude.


Nelson Maca -Poeta e professor de Literatura. Ensinou na Universidade Católica de Salvador de 1995 a 2019. É fundador do Coletivo Blackitude: Vozes Negras da Bahia, que realiza o Sarau Bem Black, o Slam Lonan e outras ações artísticas e de formação sócio-racial através das linguagens da cultura hip hop. Criou e coordenou o evento infantil Sarau Bem Legal, que aconteceu durante cinco anos na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato. Há mais de 30 anos promove e participa de eventos da negritude - seminários, workshops, cursos, shows. Com o escritor Marcelino Freire, organiza a Balada Literária da Bahia, evento completou sua sexta edição em 2020. Lançou Gramática da Ira em 2015 e Go Afrika em 2019 (ambos de poemas). Desde 2014, apresenta as performances CandomBlackesia, inaugurada no XX PERCPAN, e Tamborismo, em dupla com o Mestre percussionista Jorjão Bafafé. Em 2018 viajou o Brasil com a performance Na Rota da Rima, pelo projeto Arte da Palavra, do SESC. Em julho de 2019, participou do Festival Internacional de Poesia e Artes Performativas de Moçambique, na cidade de Maputo.

FICHA - LANÇAMENTO

Livro: Relatos da Guerra Preta ou Bahia Baixa Estação Autor: Nelson Maca Selo: Blackitude Lançamento: Dia 10 de dezembro no Terreiro de Jesus

Quanto: R$ 40 + taxa de entrega ou postagem


Contatos

Assessoria de Imprensa: Ana Cristina Pereira (71-99176.5755) Contato Nelson Maca (71-3326.4620 e 98627.3416) Vendas: Lúcia Santos (71-99210.1487)

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes é o escritor convidado do Nosso Sarau deste mês, dia 15

O escritor Cacau Novaes é o convidado da edição deste mês do Nosso Sarau, que acontece no KreatvLab do Goethe Institut Salvador, dia 15/04, às 18 horas, com entrada gratuita. Produtor e curador do evento, há 6 anos, o autor participa, de um bate papo mediado por Décio Torres, pela primeira vez como escritor convidado, em que falará sobre a sua trajetória literária e seu novo livro de poesia: “Eu só queria ver o pôr do sol”. A apresentação ficará por conta de Rosana Paulo, que comandará o recital de poemas com Alvorecer Santos, Douglas de Almeida, Jeane Sánchez, Luiz Eudes, Marcos Peixe, Rita Pinheiro, Rita Santana e Vitória Régia, além das apresentações musicais de Chá Rize, Di Carvalho e Sílvio Correia. O Nosso Sarau acontece desde 2018, com apoio do Goethe Institut Salvador. A produção do evento nesta edição ficará com Marcos Peixe e a curadoria com Alvorecer Santos. Toda a programação também será transmitida pelo perfil do Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor Cacau Novaes

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Aos 14 anos, baiana Cacá Magalhães canta em programa nos EUA e chama atenção de DeGeneres

Jovem, dona de uma voz potente e orgulhosa da sua baianidade. Poderíamos estar falando de Ivete Sangalo nos idos dos anos 1990 ou de outras mulheres a exemplo da Margareth Menezes e Daniela Mercury nos anos 1980, mas não. A baiana em questão é Cacá Magalhães, de 14 anos e moradora da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.  Foto: Reprodução / Twitter Revelada para o mundo após participar do programa "Little Big Shots", da rede estadunidense de televisão NBC, no último domingo (24), cantando niguém menos que Nina Simone, ela conta que seu canto foi aflorado muito tempo antes, quando incentivada pelo seu avô começou a escutar canções de ritmos negros norte-americanos. "Quando eu era pequena meu avô sempre colocava Blues no carro e eu fui inspirada por isso. Eu escutava música e batucava em casa, minha irmã percebeu que eu tinha esse talento e meus pais logo me inscreveram em um conservatório de música", conta a adolescente. A trajetória no con

Os morcegos estão comendo os mamãos maduros, de Gramiro de Matos

Sim, morcegos de fato comem mamãos, ou mamões maduros, mas, não é sobre morcegos nem sobre mamões o segundo e que eu saiba, derradeiro romance de Gramiro de Matos, ou Ramiro de Matos, ou Ramirão Ão Ão, cujo subtítulo, é,”O besta y a doida”, é sobre... Bem, é sobre lombrigas e angústia, sobre o que fazer da vida, seja você um viadinho suburbano, uma filha de deputado, um bêbado amante da filha do deputado, um maconheiro, um pintor ensandecido, um atropelado, ou duas belas jovens pegando carona na Rio-Bahia. O livro é sobre o belo e o horroroso da vida, que você pode passar com dor ou com muita dor. A escolha é sua, ou talvez não, mas, porém, contudo e entretanto, “O besta y a doida”, que mistura português com espanhol, James Joyce ( seu Jaime, para os chegados) com Gregório de Matos, os tupis e os atlantes, não é um livro triste, pelo contrário, é um livro até esperançoso, Macunaíma dos anos 70,embora o autor prefira Oswald a Mário de Andrade, mas o que sabe um autor do livro que

Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos” Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania.  Foto: Divulgação Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.   É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tan