Pular para o conteúdo principal

Cinco obras fundamentais para mergulhar na literatura de Rubem Fonseca

Concisão, intensidade e tensão marcam a literatura de Rubem Fonseca (1925-2020), escritor mineiro tido como excepcional no trato da violência urbana e da condição humana em seus romances. Um dos maiores autores brasileiros do século XX, Fonseca, que morreu em abril, completaria 95 anos em 11 de maio. Com uma obra fundamental para escritores formados entre as décadas de 1970 e 1980, o contista venceu em 2003 o Prêmio Camões, o mais afamado reconhecimento literário para autores de língua portuguesa, além de ter sido celebrado seis vezes pelo Jabuti.

Feliz Ano Novo, de Rubem Fonseca (imagem: Jullyanna Salles/Itaú Cultural)

Na visão de Natália Trafani Sanches, professora há dez anos de uma das maiores redes de pré-vestibular do país, Fonseca conseguiu retratar com grande veracidade aspectos que ainda não figuravam na literatura clássica brasileira. “Por mais que as mazelas brasileiras da desigualdade já tivessem aparecido com Graciliano [Ramos] ou João Cabral [de Melo Neto], a violência, em seu nível mais atroz, ainda era algo distante num cenário literário que evitava um pouco isso”, explica, em entrevista ao Itaú Cultural (IC).

Autor de romances policiais “como ninguém no Brasil”, nas palavras do escritor Luis Fernando Verissimo, Fonseca aliou popularidade a uma alta qualidade literária, abrindo espaço no mercado brasileiro para a influência de outras literaturas, como a norte-americana. “Ele trabalhou na polícia do Rio de Janeiro em uma época em que a marginalização também estava em ascensão. Ou seja, não sei se ele criou realmente um universo ou se ele apenas reproduziu o que via com toques imagéticos para validar como ficção. Rubem trouxe todos esses elementos e os transformou em literatura. Crimes, prostituição, drogas, morte, investigações, injustiça, loucura, política”, diz Natália.

Com obras censuradas durante a ditadura militar brasileira (1964-1985), como é o caso de Feliz Ano Novo (1975), Rubem Fonseca viu, décadas depois, algumas de suas melhores histórias virar filmes, como A Grande Arte (1991), dirigido por Walter Salles, Bufo & Spallanzani (2001), de Flávio Ramos Tambellini, e Lúcia McCartney, uma Garota de Programa (1971), de David Neves. Em 2016, a história de McCartney virou minissérie nas mãos do cineasta José Henrique Fonseca, filho do escritor.

Ao IC, Natália, que é especialista em estudos brasileiros [Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP)], indicou cinco obras fundamentais para conhecer a literatura do romancista e contista mineiro.

Por que Rubem Fonseca é tido como um dos maiores escritores brasileiros do século XX?

Acredito que Rubem Fonseca conseguiu retratar com bastante veracidade um aspecto do Brasil que até então não era protagonista nos grandes clássicos. Por mais que as mazelas brasileiras da desigualdade já tivessem aparecido com Graciliano [Ramos] ou João Cabral [de Melo Neto], a violência, em seu nível mais atroz, ainda era algo distante num cenário literário que evitava um pouco isso. Classificado como romance policial por uma questão mercadológica mesmo, o foco não era desvendar o crime, e sim retratar com detalhes a crueldade e os limites do ser humano que só se revelam em situações de extremos.

O autor é considerado um dos mestres do conto no país. Por qual razão?

O conto é um estilo literário pouco valorizado do ponto de vista da forma. Diferentemente do romance, o contista não tem o tempo a seu favor, seus personagens precisam de poucas descrições, seu conflito precisa ser rico em ações e o final precisa surpreender. É a estrutura perfeita para retratar a violência de um país que sofre em muitos contextos sociais e político-econômicos. Rubem criava esses personagens misteriosos, e o que importava era o agora da ação. Se no conto o tempo é inimigo, podemos pensar que na vida real ele também o é: em um contexto de violência, pode-se morrer a qualquer momento – e os contos de Rubem permeiam tudo isso. Ele é um “brutalista”, como afirma o professor Alfredo Bosi, e é pioneiro nisso, no conto e no estilo.

Como a obra do autor pode estar presente e ajudar no aprendizado em sala de aula?

É bem difícil trabalhar Rubem Fonseca dependendo da escola em que se está, ainda mais em contextos tão obscuros como este que estamos vivendo. Nem tanto pelo cunho ideológico do livro, mas pela linguagem pesada, com palavrões, palavras sexuais e construção de imagens grotescas. Tanto que alguns de seus livros foram censurados justamente por causa disso. Lembro de uma vez trabalhar o conto “A Força Humana” com alunos de 1o ano do Ensino Médio e um deles falar: “Eu não sabia que podemos falar palavrão nos livros”. Por um lado, é bem interessante, porque desconstrói toda a erudição e pose de uma literatura feita por autores de terno, mas é um caminho a seguir, romper de um dia para o outro assusta o adolescente e, de quebra, os pais. É uma obra [a de Fonseca] que instiga, de fato, e que pode despertar muitos sentimentos em crianças e jovens que até então enxergavam a literatura como algo obsoleto.
 
Cinco obras para conhecer o escritor

Feliz Ano Novo, de 1975
“Nesta obra de contos, censurada pela ditadura militar na época de seu lançamento, a grande questão da desigualdade está presente e pode ser resumida, em uma das narrativas, em um único questionamento: 'Por que os outros têm e eu não posso ter?'. A partir disso, essas personas vão, literalmente, possuir tudo o que um dia elas nunca tiveram, deixando rastros de sangue e morte.”

O Cobrador, de 1979
“É um livro em que os contos se entrelaçam e todos eles tratam de uma violência generalizada que vai da luta armada à pedofilia. O conto que dá nome ao livro também foi censurado durante a ditadura. Como um dos personagens marginalizados afirma 'Agora eu não pago mais nada, só cobro', o regime via isso como uma leve incitação à 'baderna', à busca por direitos de forma bem violenta. Diferentemente do que muitos pensam, o filme [feito com base no livro] não é apenas sobre este conto em si e mistura outras três narrativas do autor, de diferentes livros.”

Bufo & Spallanzani, de 1983
“É um livro bem construído no que diz respeito a referências. Por se tratar, mais uma vez, da ocorrência de um crime, neste caso de uma socialite carioca, o título é enigmático e traz como intertextualidade até a etimologia da palavra, além de citar escritores e fatos que fazem o leitor perceber a fortuna literária de Rubem Fonseca através de suas insinuações. O livro foi adaptado para o cinema em 2001.”

A Grande Arte, de 1983
“A grande sacada desta obra é o personagem Mandrake, que é muito bem construído. Como detetive brasileiro, é um homem comum, muito mulherengo, que não acredita em justiça com as próprias mãos, mas também não confia no sistema. Ele afirma que os crimes dependem de interpretação para, de fato, ser desvendados. 'O comportamento humano não é lógico e o crime é humano', diz. Mas existe algo em comum com outros detetives de outros romances. Por já ter sofrido as consequências de ser do mundo policial, Mandrake vê, em muitos casos, a oportunidade da vingança, e, por tantas contradições, o livro é bem interessante de ler.”

Agosto, de 1990
“É uma obra que mistura realidade e ficção, pois tem como conflito o famoso atentado da Rua Tonelero, cujo alvo era [o jornalista e político] Carlos Lacerda, inimigo de Getúlio Vargas. Se Rubem Fonseca precisava de um mistério envolvendo política, poder e sangue, essa era a receita pronta para uma grande obra.”



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Cacau Novaes lança, neste sábado (6), seu novo livro: “Eu só queria ver o pôr do sol”

O poeta e escritor Cacau Novaes lança, neste sábado (6), às 16h, o seu novo livro de poemas, intitulado “Eu só queria ver o pôr do sol”, pela Editora Mondrongo. O evento acontece em Salvador, na Cervejaria ArtMalte, na Rua Feira de Santana, 354, Rio Vermelho. Neste seu novo livro, Cacau Novaes se debruça sobre a terra arrasada pelas guerras, as mazelas da humanidade, os problemas sociais das grandes cidades, como os esgotos a céu aberto, entro outros. Poesia que nasce no seio de onde vem o cheiro de miséria e a desigualdade. Outros cinco autores também lançam, além de Cacau Novaes, os seus livros, no mesmo dia e local, em uma grande celebração literária: André Lemos, Antônio Brasileiro, Clara Pamponet, Douglas de Almeida e Vinícius Cardona. Segundo Gustavo Felicíssimo, editor da Mondrongo, será um “esquenta” para a Bienal do Livro da Bahia, que acontece de 26 de abril a 1º de maio no Centro de Convenções da Bahia. Durante a bienal, no Espaço das Editoras baianas, haverá um segundo mo

Nosso Sarau inicia encontros de 2024 com Douglas de Almeida e convidados

O Nosso Sarau volta às atividades, iniciando os encontros deste ano com muita poesia, música, bate papo literário, entre outras atividades artísticas. A primeira edição de 2024, no dia 20 de março, às 18h, traz como convidado o poeta Douglas de Almeida. O escritor falará sobre a nova edição de seu livro “Não sei se sou”, que foi relançado recentemente no MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, e sua trajetória literária, sob mediação de Cacau Novaes. Haverá ainda uma sessão de autógrafos. Durante o evento, acontece um recital de poesia com a participação de Alvorecer Santos, Ametista Nunes, Cacau Novaes, Jeane Sánchez, Jovina Souza, Luís Aseokaynha, Marcos Peixe, Ramon Argolo e Rosana Paulo. As apresentações musicais serão com Di Carvalho e Evandro Correia, abrilhantando a noite com canções autorais. Realizado mensalmente no Goethe-Institut Salvador, o Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com colaboração de Alvorecer Santos e Marcos Peixe. A entrada é gratuita. Sob

Maravilhas do conto português para o leitor brasileiro

Depois de  A cidade de Ulisses , Teolinda Gersão, uma das mais importantes contistas e romancistas da literatura portuguesa contemporânea, lança agora no Brasil  Alice e outras mulheres , uma antologia de contos organizada por Nilma Lacerda. Se, em  A cidade de Ulisses , está Lisboa no poema épico de Homero, em "Alice in Thunderland", conto que fecha a nova antologia, a escritora portuguesa revisita a personagem de Lewis Carrol, registrando a sua versão da história: “Vou repor a verdade e contar eu mesma a história, tal como agora a contei, em pensamento”. O livro conta com textos já publicados por Teolinda ao longo de seus 40 anos de trajetória literária, no entanto, esta organização publicada pela editora Oficina Raquel é inédita para o público brasileiro. Por trás da escolha dos contos que compõem a seleta, está o objetivo de mostrar todo o poder do feminino, ainda que muitas vezes silenciado e, neste sentido, nada melhor do que uma das mais célebres personagens da nossa l

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es