Pular para o conteúdo principal

Marádida, de Cacau Novaes, é lançado na Flipelô

O livro Marádida – Uma luz no fim do túnel, de Cacau Novaes, foi lançado ontem (12) na Festa Literária Internacional do Pelourinho. O evento aconteceu na Casa das Editoras Baianas, que está funcionando na antiga Faculdade de Medicina, no Centro Histórico de Salvador.

Foto: Divulgação

O romance Marádida, de Cacau Novaes, conta a história de um escritor e a sua angústia para concluir o seu livro, ao mesmo tempo em que ficção e realidade se entrelaçam. No decorrer da narrativa surgem textos do livro que está sendo escrito pelo escritor-personagem e as duas histórias se misturam criando um labirinto que prende o leitor nesse universo distópico, onde Juno, Tuna e outros personagens tentam sair de um mundo repressor, que prende e engana a todos, forjando a história e fazendo-os acreditar que estão num mundo perfeito e que, fora dali, nada mais existe e não há outro modo de vida, a não ser naquele lugar. Então, eles encontram a luz no fim do túnel, uma passagem que permite ver a realidade que está fora da Centrais, onde vivem. Esse caminho leva até o paraíso utópico de Marádida, onde “o sol, no entardecer, parece com o ouro jogado no céu, derramando-se sobre a terra”.


Sobre o livro, uma comissão do Selo Letras da Bahia, formada por Adinoel Mota Maia, Aleilton Santana, Gerana Dulamakis, Hélio Pólvora, Mário Calmon Bitencourt e Waldir Freitas Oliveira, deu o seguinte parecer:

“Kafka, Proust? É difícil precisar a matriz ficcional a que filiar este texto. Essencialmente subjetivo, lembra pinturas modernistas que desafiam a leitura. A palavra Marádida, inventada pelo autor, significa “fantasia do irreal que se concretiza por instantes e depois só permanece em nossas mentes”. Uma visão fugidia e, entretanto, permanente de um lugar que poderia ser chamado de Shangri-Lá ou outro espaço ideal concebido pela imaginação. É para a mítica Marádida que se dirige o pensamento desse ficcionista, quando sonha ou quando a ele se junta a companheira dos momentos de amor. No entanto, encontra propósito, sem perturbar o curso da narrativa, para falar de suas reflexões e também para comentar problemas sociais, como, entre outros, o das favelas que circundam as grandes cidades. O texto é maduro e lírico, retórico e lúdico, original e com forte caráter pessoal, por isso mesmo invulgar.”

Confira fotos na página do Instagram de Cacau Novaes:

A Flipelô está acontecendo desde quarta-feira (09), em diversos espaços do Pelourinho. A festa convida o público a mergulhar no universo literário por meio de atividades informativas, bate-papos, lançamento de livros, slams, saraus de poesia e apresentações musicais totalmente gratuitas, sendo um total de 135 painéis e 60 autores brasileiros e estrangeiros. Parte da programação está sendo transmitida on-line, pelo canal do Youtube da Flipelô. O evento se encerra hoje (13), com show do Cortejo Afro, às 18h, no Largo do Pelourinho.

Cortejo Afro - Foto: Divulgação

Confira programação para hoje (13):

DOMINGO (13)

IGREJA ROSÁRIO DOS PRETOS – 9h – Missa de agradecimento/encerramento Dedicada a Santa Dulce dos Pobres

IGREJA ROSÁRIO DOS PRETOS – 9h às 17h – Mostra Candace, com Eliana Aquino (BA)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 10h – Lançamento O Eclipse, com Van Amorim (BA), Mediação: Joana Guerra (BA)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 10h – Exposição Coroa de Ouro e Oficina Tranças e Turbantes, com Negra Jhô (BA)

ARENA TEATRO SESC – SENAC PELOURINHO – 10h – Contação de histórias infantis O segredo da cabeça Porongo, com Vovó Cici (BA), Mário Omar (BA)

MUSEU EUGÊNIO TEIXEIRA LEAL – 11h – Com a palavra o escritor Escrever as Mães – maternidade e resistência, com Sara Bertrand (Chile), Apresentação: Lilia Gramacho (BA)

FUNDAÇÃO CASA DE JORGE AMADO – 11h – Apresentação teatral – Monólogo Jorge de Lima – A invenção da Poesia, com Chico de Assis (AL)

TEATRO SESC – SENAC PELOURINHO – 11h – Espetáculo teatral infantil A casa encantada, com Bonde da Calu (BA)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 11h – Lançamento O Menino da Mata, com Magna Cerqueira (BA), Contação de história, Juliana Anselmo (BA)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 11 às 17h – Escambo de livros Navegue no Bem

CASA DAS EDITORAS BAIANAS – 12h às 14h – Intervenções poéticas Àdúrà, com Camillo César Alvarenga – Ed. paralelo13S.

TEATRO SESC – SENAC PELOURINHO – 14h – Mesa Leio, logo posto, com Pedro Pacífico (SP), Eliz Oliveira (PI), Mediação: Rodrigo Casarin (SP)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 14h – Bate-papo A ficção e a realidade na literatura para jovens, com Ricardo Ishmael (BA), Vitor Martins (SP), Mediação: Samira Soares (BA)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 14h – Exposição Coroa de Ouro e Oficina Tranças e Turbantes, com Negra Jhô (BA)

PRAÇA QUINCAS BERRO D’ÁGUA – 15h – Apresentação musical Banda Agentes do Metrô *Participação da banda do Ilê Aiyê

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 15h – Lançamento Exis(ir), com Cristiane Sousa Santos (BA)

CASA DAS EDITORAS BAIANAS – 15h – Mesa e lançamento de livros Poesia brasileira contemporânea 2, com Camilo Cesar Alvarenga – àdúrà – Ed. Paralelo13S, Marcelo Frazão – E nada pode ser feito quanto a isso – Ed. P55, Leticia Carvalho – Eu devia ter visto isso chegando – Ed. Paralelo13S

TEATRO SESC – SENAC PELOURINHO – 16h – Mesa Literatura dá samba, com Juliana Ribeiro (BA), Pedro Abib (BA), Mediação: Silvana Oliveira (BA),

FUNDAÇÃO CASA DE JORGE AMADO – 16h – Bate-papo e lançamento do livro Roma Negra – uma cidade ilustrada em quadrinhos, com Esteban Vivaldi (Chile), Gutemberg Cruz (BA)

MUSEU EUGÊNIO TEIXEIRA LEAL – 16h – Exibição do Documentário Bicentenário da Independência: Heróis e Heroínas da Liberdade, Bate-papo com Ricardo Ishmael (BA), Henrique Mendes (BA)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 16h – Bate-papo Do independente às salas de roteiro, com Juan Jullian (RJ), Mediação: Marcelo Lima (BA)

VILA LITERÁRIA – LARGO TEREZA BATISTA – 17h – Sarau Sarau pelo direito da poesia: mas onde existe poesia?, com Grupo de autores da Coluna Direito & Arte

LARGO DO PELOURINHO – CORETO FLIPELÔ – 18h – Apresentação musical, com Cortejo Afro

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Cacau Novaes lança, neste sábado (6), seu novo livro: “Eu só queria ver o pôr do sol”

O poeta e escritor Cacau Novaes lança, neste sábado (6), às 16h, o seu novo livro de poemas, intitulado “Eu só queria ver o pôr do sol”, pela Editora Mondrongo. O evento acontece em Salvador, na Cervejaria ArtMalte, na Rua Feira de Santana, 354, Rio Vermelho. Neste seu novo livro, Cacau Novaes se debruça sobre a terra arrasada pelas guerras, as mazelas da humanidade, os problemas sociais das grandes cidades, como os esgotos a céu aberto, entro outros. Poesia que nasce no seio de onde vem o cheiro de miséria e a desigualdade. Outros cinco autores também lançam, além de Cacau Novaes, os seus livros, no mesmo dia e local, em uma grande celebração literária: André Lemos, Antônio Brasileiro, Clara Pamponet, Douglas de Almeida e Vinícius Cardona. Segundo Gustavo Felicíssimo, editor da Mondrongo, será um “esquenta” para a Bienal do Livro da Bahia, que acontece de 26 de abril a 1º de maio no Centro de Convenções da Bahia. Durante a bienal, no Espaço das Editoras baianas, haverá um segundo mo

Nosso Sarau inicia encontros de 2024 com Douglas de Almeida e convidados

O Nosso Sarau volta às atividades, iniciando os encontros deste ano com muita poesia, música, bate papo literário, entre outras atividades artísticas. A primeira edição de 2024, no dia 20 de março, às 18h, traz como convidado o poeta Douglas de Almeida. O escritor falará sobre a nova edição de seu livro “Não sei se sou”, que foi relançado recentemente no MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, e sua trajetória literária, sob mediação de Cacau Novaes. Haverá ainda uma sessão de autógrafos. Durante o evento, acontece um recital de poesia com a participação de Alvorecer Santos, Ametista Nunes, Cacau Novaes, Jeane Sánchez, Jovina Souza, Luís Aseokaynha, Marcos Peixe, Ramon Argolo e Rosana Paulo. As apresentações musicais serão com Di Carvalho e Evandro Correia, abrilhantando a noite com canções autorais. Realizado mensalmente no Goethe-Institut Salvador, o Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com colaboração de Alvorecer Santos e Marcos Peixe. A entrada é gratuita. Sob

Maravilhas do conto português para o leitor brasileiro

Depois de  A cidade de Ulisses , Teolinda Gersão, uma das mais importantes contistas e romancistas da literatura portuguesa contemporânea, lança agora no Brasil  Alice e outras mulheres , uma antologia de contos organizada por Nilma Lacerda. Se, em  A cidade de Ulisses , está Lisboa no poema épico de Homero, em "Alice in Thunderland", conto que fecha a nova antologia, a escritora portuguesa revisita a personagem de Lewis Carrol, registrando a sua versão da história: “Vou repor a verdade e contar eu mesma a história, tal como agora a contei, em pensamento”. O livro conta com textos já publicados por Teolinda ao longo de seus 40 anos de trajetória literária, no entanto, esta organização publicada pela editora Oficina Raquel é inédita para o público brasileiro. Por trás da escolha dos contos que compõem a seleta, está o objetivo de mostrar todo o poder do feminino, ainda que muitas vezes silenciado e, neste sentido, nada melhor do que uma das mais célebres personagens da nossa l

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es