Pular para o conteúdo principal

ENTREVISTA: Ute Engelke e Sven Mensing - Conceito do Kreativlab

Sobre a reorientação da área de informação e biblioteca do Goethe-Institut Salvador-Bahia

Ute Engelke e Sven Mensing - Foto: Goethe Institut

Os visitantes da biblioteca do Goethe-Institut Salvador-Bahia já puderam observar inovações entusiasmantes nas amplas salas durante os últimos três anos: Além das estantes já conhecidas com livros sobre a língua e cultura alemã, obras de autores alemães traduzidas e em alemão e meios audiovisuais, e as mesas que convidam a ler e trabalhar em um ambiente tranquilo, o chamado Makerspace foi criado com a ajuda de uma equipe muito ativa.

Os Makerspaces são espaços abertos onde as pessoas trabalham de forma criativa em objetos físicos. São espaços para novas ideias e projetos do tipo "faça você mesmo". O makerspace, também chamado FabLab (Fabrication Laboratory), é o "cantinho de hobby" da era digital, por assim dizer.

Esta transformação vem em um momento em que o Goethe-Institut mundial está repensando suas áreas de informação e biblioteca e as transformando em lugares modernos e inovadores de intercâmbio, aprendizado e mediação.

Sven Mensing (Chefe de Serviços de Informação Região América do Sul) e Ute Engelke (Departamento de Informação e Biblioteca, Goethe-Institut Salvador-Bahia) fornecem informações sobre o novo conceito no Goethe-Institut Salvador-Bahia:

  •  1. Qual é o novo conceito de espaço e que serviços estarão disponíveis lá?

Ute Engelke:
O espaço será dividido em diferentes zonas e áreas, que por vezes têm uma transição fluida, e por vezes são claramente demarcadas devido à utilização pretendida. Com o novo conceito de espaço, oferecemos uma boa mistura de entretenimento, experimentação, produção, apresentação, aprendizagem e relaxamento. Isto pode ser utilizado tanto individualmente como em pequenos grupos.

Sven Mensing:
O equipamento permite que você projete e faça coisas com suas mãos no mundo físico, assim como programar e projetar no ambiente digital. Eu destacaria particularmente a área VR, onde você pode imergir em vários mundos virtuais ou testar mundos 3D que você mesmo criou. Você não poderá reproduzir ou pescar no chamado aquário, mas esta sala oferece as melhores condições para a produção e edição de fotos e vídeos, bem como de gravações sonoras. Portanto, se você quiser fazer um podcast, um vídeo explicativo para o YouTube ou editar um vídeo engraçado para TikTok, este é o lugar certo!

Ute Engelke:
O foco do conceito de espaço é o Makerspace, que está equipado com uma impressora 3D, cortador laser, suporte CNC, kits de construção electrónicos, mas também ferramentas para trabalhar com vários materiais. É aqui que se realizam as oficinas.
Assim que se provar que se pode utilizar corretamente as ferramentas e máquinas, há a possibilidade de agendamento para utilização individual para realizar os seus próprios projetos fora da agenda programada para as atividades.
Para além da estrutura geral, os métodos de aprendizagem da equipe estimulam o desenvolvimento da autonomia, autoconfiança e pensamento crítico, promovem competências de resolução de problemas e atividades que se centram no protagonismo dos jovens. Isto leva a uma ação empenhada e motivada por parte dos participantes na oficina.

 
  • 2. Há quanto tempo trabalham no novo conceito e que experiência já tem com ele?

Sven Mensing:
Trabalhamos no conceito há muito tempo e continua a ser um Work-in-Progress! Existem apenas alguns conceitos comparáveis dentro da rede do Goethe-Institut em todo o mundo, por isso estamos definitivamente a desbravar novos caminhos aqui e isto é, portanto, também caracterizado por um certo carácter experimental.

Com o KreativLab - ou Makerspace ou Co-Working-Space ou FabLab ("Fabrication laboratory") queremos perseguir uma ideia diferente de aprendizagem, de intercâmbio, de união. Classicamente, as bibliotecas são locais de aprendizagem com e através dos meios de comunicação, principalmente livros. Contudo, estamos certos de que no futuro estes lugares, especialmente como parte de uma instituição cultural, terão de ser menos orientados para os midias e muito mais centrados nas pessoas e na interação entre elas. Isso não significa que as midias desaparecerão, o que também não acontecerá conosco, mas elas deixarão de ter esse domínio! Continuará sendo possível encontrar uma pequena seleção de livros no Instituto que acompanham os temas que abordamos com as nossas ofertas (sustentabilidade em todas as suas manifestações) e permitem o contato com a cultura alemã, especialmente a língua e a literatura.


Ute Engelke:
Infelizmente, o período pandêmico nos atrasou um pouco em termos de implementação e experimentação! O Makerspace está disponível desde meados de 2021. As primeiras atividades foram realizadas online durante a pandemia e em cooperação com artistas do programa de residência Vila Sul com o tema da sustentabilidade. Depois disso, começamos com workshops individuais e apresentamos o Makerspace durante várias visitas dos frequentadores.

Somos uma oficina aberta, um laboratório disponível para todas as pessoas que querem "fazer" alguma coisa, de acordo com o lema ajuda para a autoajuda. Durante o horário de abertura, todos podem vir até nós e trabalhar no seu projeto. Estamos felizes em oferecer suporte, o que significa que oferecemos assistência através de instigações de pensamento e incentivamos o uso de ferramentas e recursos. Se você não tiver uma ideia para um novo projeto, ficaremos felizes em ajudar e nos tornaremos uma fonte inspiradora de ideias!

Também organizamos e oferecemos workshops onde trabalhamos sobre temas em grupo ou fazemos uma apresentação. Há sempre muito conhecimento a compartilhar aqui!

Queremos que este espaço seja utilizado ativamente, especialmente por iniciativas privadas e não comerciais da sociedade civil. A partir deste ano, concentramo-nos principalmente no desenvolvimento de um programa regular de atividades nesta área em conjunto com parceiros.

 
  • 3. Como é que o novo conceito se enquadra no trabalho dos outros departamentos, ou seja, os departamentos de programação cultural e de línguas?

Sven Mensing:
O núcleo do trabalho cultural do Instituto é o programa de residência VILA SUL. Profissionais criativos e artistas do sul global e da Alemanha se reúnem regularmente e por um certo período de tempo. Tematicamente, o foco está nos temas de "herança africana / pós-colonialismo", "sustentabilidade" e "desenvolvimento urbano". Essas pessoas residentes trabalham sobre estes temas em seus respectivos campos de trabalho, freqüentemente interdisciplinares, no local em Salvador e se inspiram no cenário cultural da cidade e na natureza ao redor.

O programa de residência e o KreativLab têm, portanto, uma estreita conexão temática. Pensamos que é um grande benefício para ambas as partes, tanto para os residentes quanto para os desenvolvedores, ter um lugar de intercâmbio com o KreativLab e, ao mesmo tempo, ser capaz de realizar ideias criativas e abordagens prototípicas
.

Ute Engelke:
Para o setor de idiomas, nosso Makerspace oferece a oportunidade de conhecer novas ferramentas e usá-las em sala de aula. Isto já foi testado com sucesso com workshops para os dirigentes dos cursos, e mais estão para ser realizados. Por que não ter um assunto como uma unidade de ensino interativo no KreativLab? As visitas de escolas parceiras (PASCH) também estão planejadas para acontecer novamente. Vemos isto como uma grande oportunidade para despertar o interesse pela língua alemã e na Alemanha como uma competência em novas tecnologias e oportunidades de estudo.
 
  • 4. O Goethe-Institut Salvador-Bahia deixou de emprestar livros no início de Fevereiro. As leitoras e leitores interessados já não podem ler livros alemães?

Sven Mensing:
A supervisão e o desenvolvimento posterior das ofertas no KreativLab requerem nossa atenção especial. E também aprenderemos algo novo aqui todos os dias! Por esta razão, decidimos adaptar o espectro das ofertas de uma biblioteca em favor desta característica especial. O livro e a mídia audiovisual estão disponíveis para uso no local até novo aviso. Assim, você ainda pode vir durante o horário de funcionamento e usar a mídia na área de leitura do espaço ou no ambiente acolhedor do pátio interno.

Em uma segunda etapa, vamos afiar o perfil do estoque de mídia física para que ela atenda às necessidades do KreativLab, mas ainda apresentamos uma seleção, de ficção atual. Ligada a isto está a transferência das mídias que não mais disponibilizamos no Goethe-Institut para o sistema de bibliotecas da UFBA. Estamos atualmente em contato com os responsáveis e queremos concluir este processo até meados do ano. Depois disso, estes meios de comunicação serão sucessivamente disponibilizados para uso através das instalações da biblioteca da UFBA.

Não deve ficar de fora que continuaremos a fornecer uma oferta de mídia eletrônica tematicamente muito ampla com a Onleihe, a biblioteca digital, que inclui materiais para aprender e praticar o alemão, jornais e revistas de língua alemã e livros eletrônicos com literatura de ficção e não-ficção da e sobre a Alemanha! E, naturalmente, continuaremos a mostrar aos interessados como registrar, pesquisar e usar os meios eletrônicos ali.

 
  • 5. Que literatura estará disponível na coleção presencial?

Ute Engelke:
Nosso acervo de referência oferecerá alguns complexos temáticos selecionados dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, por exemplo, desenvolvimento urbano sustentável, igualdade de gênero e inclusão. Além disso, uma seleção de meios didáticos para aprender a língua alemã e conhecer a Alemanha, livros para crianças e jovens, livros de não-ficção sobre a situação mundial atual, arte e design, histórias em quadrinhos e contos, assim como manuais e literatura sobre as técnicas utilizadas no Makerspace.

Naturalmente, haverá também uma seleção de clássicos em alemão e português, assim como as obras dos atuais autores brasileiros. Para eles, o Makerspace continuará a oferecer espaço para publicações, debates e produções de livros.

 
  • 6. O que você mais ansiosamente aguarda?

Ute Engelke:
O Dia de Portas Abertas, em maio, onde apresentaremos publicamente o espaço e os serviços ao público em geral! E a uma grande demanda para o uso de nosso espaço por parte de jovens inventores e iniciativas de Salvador que estão trabalhando em conceitos sustentáveis para o futuro.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Cacau Novaes lança, neste sábado (6), seu novo livro: “Eu só queria ver o pôr do sol”

O poeta e escritor Cacau Novaes lança, neste sábado (6), às 16h, o seu novo livro de poemas, intitulado “Eu só queria ver o pôr do sol”, pela Editora Mondrongo. O evento acontece em Salvador, na Cervejaria ArtMalte, na Rua Feira de Santana, 354, Rio Vermelho. Neste seu novo livro, Cacau Novaes se debruça sobre a terra arrasada pelas guerras, as mazelas da humanidade, os problemas sociais das grandes cidades, como os esgotos a céu aberto, entro outros. Poesia que nasce no seio de onde vem o cheiro de miséria e a desigualdade. Outros cinco autores também lançam, além de Cacau Novaes, os seus livros, no mesmo dia e local, em uma grande celebração literária: André Lemos, Antônio Brasileiro, Clara Pamponet, Douglas de Almeida e Vinícius Cardona. Segundo Gustavo Felicíssimo, editor da Mondrongo, será um “esquenta” para a Bienal do Livro da Bahia, que acontece de 26 de abril a 1º de maio no Centro de Convenções da Bahia. Durante a bienal, no Espaço das Editoras baianas, haverá um segundo mo

Nosso Sarau inicia encontros de 2024 com Douglas de Almeida e convidados

O Nosso Sarau volta às atividades, iniciando os encontros deste ano com muita poesia, música, bate papo literário, entre outras atividades artísticas. A primeira edição de 2024, no dia 20 de março, às 18h, traz como convidado o poeta Douglas de Almeida. O escritor falará sobre a nova edição de seu livro “Não sei se sou”, que foi relançado recentemente no MAM – Museu de Arte Moderna da Bahia, e sua trajetória literária, sob mediação de Cacau Novaes. Haverá ainda uma sessão de autógrafos. Durante o evento, acontece um recital de poesia com a participação de Alvorecer Santos, Ametista Nunes, Cacau Novaes, Jeane Sánchez, Jovina Souza, Luís Aseokaynha, Marcos Peixe, Ramon Argolo e Rosana Paulo. As apresentações musicais serão com Di Carvalho e Evandro Correia, abrilhantando a noite com canções autorais. Realizado mensalmente no Goethe-Institut Salvador, o Nosso Sarau tem produção e curadoria de Cacau Novaes, com colaboração de Alvorecer Santos e Marcos Peixe. A entrada é gratuita. Sob

Maravilhas do conto português para o leitor brasileiro

Depois de  A cidade de Ulisses , Teolinda Gersão, uma das mais importantes contistas e romancistas da literatura portuguesa contemporânea, lança agora no Brasil  Alice e outras mulheres , uma antologia de contos organizada por Nilma Lacerda. Se, em  A cidade de Ulisses , está Lisboa no poema épico de Homero, em "Alice in Thunderland", conto que fecha a nova antologia, a escritora portuguesa revisita a personagem de Lewis Carrol, registrando a sua versão da história: “Vou repor a verdade e contar eu mesma a história, tal como agora a contei, em pensamento”. O livro conta com textos já publicados por Teolinda ao longo de seus 40 anos de trajetória literária, no entanto, esta organização publicada pela editora Oficina Raquel é inédita para o público brasileiro. Por trás da escolha dos contos que compõem a seleta, está o objetivo de mostrar todo o poder do feminino, ainda que muitas vezes silenciado e, neste sentido, nada melhor do que uma das mais célebres personagens da nossa l

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es