Pular para o conteúdo principal

O livro preto de Ariel e sua luta na República dos Olhos Azuis

O Livro Preto de Ariel nos arrebata pela arte da palavra do guerreiro, poeta, escritor, narrador, personagem, que nos conduz com muita sensibilidade, amor e solidariedade, ao longo da trama, cuja verosimilhança nos faz torcer, sofrer, chorar junto.


A coragem de Ariel, sua bravura e honestidade, nos mostra uma história que pode estar acontecendo ao nosso lado, com tantos de nossos amigos/irmãos. É a história da Bahia, em cuja Terra da Felicidade, o muro do apartheid foi construído desde sempre.

Um muro que pode ser simbolizado por uma ponte/viaduto. De um lado, o shopping mais antigo da cidade e a vitrine das madames; o templo do capital, ladeado pelo Templo do Bispo. No lado oposto, a Rodoviária, lugar de partida e chegada da gente indesejada, da gente que constrói a riqueza do Estado.

A ponte, ao invés de interligar, separa. É a divisão histórica que interdita a passagem de corpos negros. Corpos que tentam se equilibrar na vida, na inserção social, cuja melodia, muda a cada passo e é a senha para a retirada de corpos negros do salão principal.

Não há equilibro na ponte do terror, em frente ao Templo do Consumo e ao Templo Religioso. Só há exploração. É uma das denúncias de Ariel. Há tantas outras:

Ponte definha auto estima, dificulta caminhar; interdita, aparta, separa. A ponte do racismo estrutural estruturado. Ponte que subalterniza, diminui a expectativa de vida; assassina corpos pretos, corpos de anjos, de jovens, de todos que tenham a cor da noite. Ponte que embranquece histórias, nega ancestralidades; sincretiza fé.

Ponte que transforma meninos em mulas dos bacanas. Ponte que livra os bacanas e acusa, julga, condena, encarcera e mata aos meninos-mulas.

A ponte da interdição tem vários outros lados: o lado dos eleitos, juízes, partidos políticos, bispos, ditadura uniformizada, imprensa sensacionalista, pessoas de ‘bem’; o lado dos eleitores, eleitos para morrer pela melanina, pelo CEP, pela parede sem reboco, pelo esgoto escorrendo na quebrada.

No meio da ponte, a LEI, em cujas folhas brancas, está descrita a guerra às drogas, cujo principal objetivo é  matar em nome da lei, invadir casa, assassinar, dar sumiço aos corpos, praticar racismo institucional. Uma “Lei” que só pende para perseguir um lado, o lado de quem tem a pele da cor da noite, como uma sentença hereditária, decidida pelos invasores do país, seguida pelos novos colonos, pela proclamação da república, pelos sucessivos golpes e espoliações de bens e direitos.

No meio da ponte a lei, que protege aqueles que moram nesses chamados bairros nobres, como o personagem Dr. Renato, protegido do pai, do tio, do avô e que dirige um grande escritório. Uma sucessão de cabeças brancas, sucessoras, herdeiras, justiceiras, cujos crimes nunca foram denunciados, e quando foram, tiveram um batalhão de habeas corpus para os livrarem. Afinal, são eles que fazem as ‘leis’, definem o ‘devido processo legal’, e são donos das indústrias de encarcerar corpos negros. O lucro é de uma ponta a outra.

Esses bandidos de colarinho branco nunca cumpriram uma prisão, sempre tiveram o aparato jurídico, o livro das leis, escrito por eles mesmos, interpretados para se auto-protegerem. São os sócios do genocídio, ganham medalhas, estátuas, constroem prisões, vencem editais e enriquecem impunemente, explorando a vida e a morte de jovens como os doze do Cabula. É uma verdadeira indústria que funciona desde os Navios Negreiros.

Ariel é um personagem desse grande teatro macabro, que sofre as opressões de um Estado Genocida e cruel. Um entre milhares. A luta dele por restaurar sua humanidade passa pelas letras, pela leitura e escrita de poesia. Em sua biblioteca particular, Carolina Maria de Jesus, Machado de Assis, Cruz e Souza, Solano Trindade, Ricardo Aleixo, Sérgio Fantini, Landê Onawalê, Cuti Silva, Conceição Evaristo. Amparado por uma revolução de mulheres, consegue criar vidas paralelas, voltar ao passado e conhecer guerreiros do Quilombo do Orubu, de Zeferina, e prossegue sua luta contra a opressão.

Uma saga viva, cujos personagens estão ao nosso lado, em comunidades, escolas, saraus de poesia, caminhadas e passeatas, todos os dias, numa luta incessante por justiça, pelo direito à existência! Uma leitura mais que necessária e urgente, O Livro Preto de Ariel é um manual de proteção à Vida!

Contato do autor do livro? Clique aqui: Hamilton Borges.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Festival em Morro de São Paulo terá shows de Luiz Caldas, Jau, Cheiro de Amor, entre outras atrações

Após o Carnaval, Morro de São Paulo, Bahia, realiza, entre os dias 15 e 17 de fevereiro, a 7ª edição do Festival de Morro de São Paulo, reunindo grandes atrações para quem quer curtir um dos melhores destinos turísticos do verão brasileiro. Foto: Reprodução Artistas como Luiz Caldas, Jau, Filhos de Jorge, Afrocidade, Cheiro de Amor, Negra Cor e Batifun passarão pelo palco montado na Segunda Praia. De acordo com a organização do evento, será “Um festival comprometido em tornar este evento ainda mais ecologicamente responsável através da neutralização de carbono. Este não é apenas um festival, é uma vibração consciente e inesquecível para fechar o Verão com chave de ouro”.

Morro de São Paulo recebeu artistas e turistas em festival neste fim de semana

Durante o fim de semana, de quinta (15) a sábado (17), Morro de São Paulo realizou a 7ª edição do seu festival em um dos destinos mais procurados por turistas do Brasil e de outros países. Vina Calmon - Cheiro de Amor - Foto: Cacau Novaes O evento aconteceu na Segunda Praia, de forma gratuita, e contou com shows de diversos artistas. No primeiro dia do evento (15), passaram pelo palco Dayane Félix, Afrocidade e Cheiro de Amor. Já na sexta-feira (16), os shows foram de Batifun, Negra Cor e Jau. No último dia (17), somente Degê conseguiu se apresentar, devido às fortes chuvas que caíram na ilha, sendo cancelada a programação, que ainda tinha em sua grade os shows de Luiz Caldas e Filhos de Jorge. Jau - Foto: Divulgação Mesmo com esse imprevisto, o Festival de Morro de São Paulo foi um sucesso, com a presença de um grande público, que também curtiu os atrativos naturais da ilha. Adelmo Casé - Negra Cor - Foto: Divulgação Confiram mais vídeos no Instagram de Cacau Novaes : Ver es

Festival de Morro de São Paulo suspende programação deste sábado (17)

Devido às fortes chuvas que atingem Morro de São Paulo na noite deste sábado (17), o Festival de Morro de São Paulo anunciou a suspensão da programação do dia, visando garantir a segurança do público. Com isso, as apresentações de Luiz Caldas e Filhos de Jorge foram canceladas. Os dias anteriores foram marcados pelo público lotando a Segunda Praia para os shows de Dayane Felix, Afrocidade, Cheiro de Amor, Batifum, Negra Cor e Jau. Hoje, o cantor Degê, fez o show de abertura da noite, antes da suspensão.

Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos” Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania.  Foto: Divulgação Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.   É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tan