Pular para o conteúdo principal

Portugal lamenta morte de Rubem Fonseca com homenagens de políticos, escritores e críticos literários

A morte do escritor brasileiro Rubem Fonseca gera grande repercussão em Portugal, seja na imprensa, no circuito cultural, com direito até a homenagem oficial. Em meio ao silêncio das autoridades brasileiras, o presidente português não deixou de reverenciar a obra do autor.


Foto: Divulgação

Em uma nota oficial publicada no site da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa deixa “uma palavra de homenagem ao observador atento de um outro Brasil, ao escritor desenvolto, ao mestre da língua concisa e precisa”, lê-se no texto. Para o presidente português, Rubem Fonseca foi um “ficcionista de referência” para “as gerações nascidas na segunda metade do século passado”.

“Ao invés do humanismo combativo e amável de (Jorge) Amado, a obra de Rubem Fonseca representou o Brasil desencantado, violento, às vezes cínico, um Brasil urbano, 'americano', distante da imagem ruralista da ficção brasileira que sempre foi tão lida em Portugal”, completa o presidente.

Esse diferencial na escrita de Fonseca foi um divisor de águas para a literatura brasileira no país, analisa o consultor de cultura da Presidência da República e crítico literário Pedro Mexia. “Tínhamos muito a marca dos escritores brasileiros que foram muito populares, mas que escreviam sobre o Nordeste, sobre as fazendas, essa mitologia mais rural e ancestral. Rubem Fonseca foi o contato com um outro Brasil. Da violência, de uma certa crueza, quer nas histórias que ele contava, quer no estilo muito sucinto”, diz Pedro Mexia à RFI.

Relação com Portugal

Filho de pais portugueses, Rubem Fonseca ressaltava a herança familiar. Na última aparição pública que fez em Portugal, em 2012, quando foi premiado pelo livro "Bufo & Spallanzani" no festival Correntes d’Escritas, o autor fez um discurso forte sobre as raízes lusitanas.

O crítico Pedro Mexia fez parte do júri do festival. Não chegou a ser apresentado ao escritor, mas conta as lembranças.

“Aquilo que ficou marcado para todos foi a sua constante referência, que aliás está nos livros também, às coisas portuguesas, não só aos pais, mas também à gastronomia, aos vinhos, e à própria língua portuguesa. Lembro que ele teve um discurso em que falava da língua portuguesa com uma espécie de entusiasmo que até os portugueses têm algum pudor às vezes, em falar do português dessa maneira”.

Também foi em Portugal que o autor recebeu o Prêmio Camões, em 2003, considerado a maior honraria literária da língua portuguesa. “José Rubem, querido amigo, maravilhoso e genial cultor da língua portuguesa, choram-no milhares de leitores portugueses, que todos os anos esperavam ansiosos pelo seu novo livro. Palavras precisas e sóbrias narram histórias duras, impiedosas para os falsos e os corruptos, onde a morte era sempre derrotada pela ironia e pela cultura”, escreve João Duarte Rodrigues, da Sextante Editora, que publica a obra de Rubem Fonseca em Portugal.

Presidente da Fundação José Saramago e viúva do escritor português Nobel de Literatura, Pilar del Rio manifestou a tristeza pela morte de Fonseca pelas redes sociais. “Estou sem palavras. Tinha paixão, humor e lágrimas. Um grande. Descanse em paz”, escreveu.

Expoente da atual geração de escritores lusófonos, o português Valter Hugo Mãe se diz “desolado” com a morte de Rubem Fonseca. “Querido amigo, querido magnífico escritor que tanto me honrou, tanto me inspirou. Adeus, Mestre. Obrigado por tudo”, publicou nas redes sociais, junto com uma foto dos dois.

Outro nome de referência, José Eduardo Agualusa ressalta a importância do brasileiro para a própria formação. “Tenho todos os livros dele e continuarei a lê-lo, como sempre o leio quando preciso me sentir inquieto para escrever. Escritores morrem quando deixam de ter leitores. Rubem continuará a ter leitores”, publicou.

Nascido em Minas Gerais em 1925, Rubem Fonseca morreu na quarta-feira (15), depois de sofrer um infarto em casa, no Rio de Janeiro. O autor completaria 95 anos no próximo dia 11 de maio.

A obra premiada contabiliza ainda seis prêmios Jabuti, o maior da literatura no Brasil, e um prêmio Machado de Assis, concedido pela Academia Brasileira de Letras.



Caroline Ribeiro, de Lisboa para a RFI

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Cacau Novaes é o escritor convidado do Nosso Sarau deste mês, dia 15

O escritor Cacau Novaes é o convidado da edição deste mês do Nosso Sarau, que acontece no KreatvLab do Goethe Institut Salvador, dia 15/04, às 18 horas, com entrada gratuita. Produtor e curador do evento, há 6 anos, o autor participa, de um bate papo mediado por Décio Torres, pela primeira vez como escritor convidado, em que falará sobre a sua trajetória literária e seu novo livro de poesia: “Eu só queria ver o pôr do sol”. A apresentação ficará por conta de Rosana Paulo, que comandará o recital de poemas com Alvorecer Santos, Douglas de Almeida, Jeane Sánchez, Luiz Eudes, Marcos Peixe, Rita Pinheiro, Rita Santana e Vitória Régia, além das apresentações musicais de Chá Rize, Di Carvalho e Sílvio Correia. O Nosso Sarau acontece desde 2018, com apoio do Goethe Institut Salvador. A produção do evento nesta edição ficará com Marcos Peixe e a curadoria com Alvorecer Santos. Toda a programação também será transmitida pelo perfil do Instagram @nossosarau.ssa Sobre o autor Cacau Novaes

Cacau Novaes entrevista Nego Jhá: 'Vem pro cabaré'

Nêgo Jhá é uma banda do interior da Bahia, da cidade de Iguaí, situada no Centro Sul do estado, criada em janeiro de 2018, por Guilherme Santana e Gabriel Almeida, através de u ma simples brincadeira entre amigos, que resultou em um trabalho profissional.  A banda já contabiliza mais de 30 milhões de visualizações no YouTube com suas músicas, entre elas, destaca-se “Cabaré”, música de trabalho gravada por artistas famosos, que compartilharam vídeos, que viralizaram na internet, ouvindo e dançando o hit do momento em todo o Brasil. Até no BBB21 da Rede Globo já tocou a música dos garotos. Foto: Divulgação Confira abaixo a entrevista com os integrantes da Nego Jhá: Cacau Novaes - Como surgiu a ideia de criar Nego Jhá? Como tudo começou?  Nego Jhá -  Através de uma brincadeira entre mim, Guilherme, e meu amigo Gabriel, que toca teclado.  No início não tínhamos em mente de que isso se tornaria algo profissional, pensamos apenas em gravar por diversão e resenha. Cacau Novaes -  É uma dupl

Aos 14 anos, baiana Cacá Magalhães canta em programa nos EUA e chama atenção de DeGeneres

Jovem, dona de uma voz potente e orgulhosa da sua baianidade. Poderíamos estar falando de Ivete Sangalo nos idos dos anos 1990 ou de outras mulheres a exemplo da Margareth Menezes e Daniela Mercury nos anos 1980, mas não. A baiana em questão é Cacá Magalhães, de 14 anos e moradora da cidade de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador.  Foto: Reprodução / Twitter Revelada para o mundo após participar do programa "Little Big Shots", da rede estadunidense de televisão NBC, no último domingo (24), cantando niguém menos que Nina Simone, ela conta que seu canto foi aflorado muito tempo antes, quando incentivada pelo seu avô começou a escutar canções de ritmos negros norte-americanos. "Quando eu era pequena meu avô sempre colocava Blues no carro e eu fui inspirada por isso. Eu escutava música e batucava em casa, minha irmã percebeu que eu tinha esse talento e meus pais logo me inscreveram em um conservatório de música", conta a adolescente. A trajetória no con

Os morcegos estão comendo os mamãos maduros, de Gramiro de Matos

Sim, morcegos de fato comem mamãos, ou mamões maduros, mas, não é sobre morcegos nem sobre mamões o segundo e que eu saiba, derradeiro romance de Gramiro de Matos, ou Ramiro de Matos, ou Ramirão Ão Ão, cujo subtítulo, é,”O besta y a doida”, é sobre... Bem, é sobre lombrigas e angústia, sobre o que fazer da vida, seja você um viadinho suburbano, uma filha de deputado, um bêbado amante da filha do deputado, um maconheiro, um pintor ensandecido, um atropelado, ou duas belas jovens pegando carona na Rio-Bahia. O livro é sobre o belo e o horroroso da vida, que você pode passar com dor ou com muita dor. A escolha é sua, ou talvez não, mas, porém, contudo e entretanto, “O besta y a doida”, que mistura português com espanhol, James Joyce ( seu Jaime, para os chegados) com Gregório de Matos, os tupis e os atlantes, não é um livro triste, pelo contrário, é um livro até esperançoso, Macunaíma dos anos 70,embora o autor prefira Oswald a Mário de Andrade, mas o que sabe um autor do livro que

Avisa lá: Hoje é aniversário do Olodum

“Avisa lá, que eu vou chegar mais tarde. Oh yeah!Vou me juntar ao Olodum. Que é da AlegriaÉ denominado de vulcão. O estampido ecoouOs quatros cantos do mundo. Em menos de um minuto. Em segundos” Sim, hoje é aniversário do Olodum. São 41 anos de muita luta, trabalho, resistência e criatividade em defesa da igualdade e da cultura na Bahia. Minhas homenagens este ano, vão para o coração do Olodum, que se algum dia parar de bater, o Olodum desaparece, pois é neste espaço onde o vigor e o talento se juntam para compartilhar consciência, alegria e cidadania.  Foto: Divulgação Falo da Banda Reggae Olodum, também conhecida como o Exército do Samba Reggae. Por lá, nesses 41 anos de existência, passaram centenas de percussionistas, dezenas de cantores, bailarinos e Mestres.   É a Banda Olodum que arrasta multidões pelo mundo afora.  É a Banda Olodum com sua batida inconfundível que amplifica nossas dores, nossos amores, nossas vozes, nas vozes dos cantores. Por isto afirmamos com tan